Facebook contra a pornografia infantil

Em uma parceria com a Microsoft, rede social anuncia ferramenta que ajudar a monitorar a publicao de imagens ilegais no site

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Esta semana, o Facebook deu um importante passo contra a pornografia infantil. A ferramenta PhotoDNA, desenvolvida pela Microsoft Research e doada ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas dos EUA, será utilizada pela rede social a fim de buscar com mais precisão as imagens publicadas no site. O objetivo é identificar fotos que sejam ilegais e retirar o conteúdo impróprio do ar.

Atualmente, as fotos ilegais de menores de 12 anos são excluídas por equipes da empresa, que recebem denúncias dos próprios usuários. O sistema funciona a partir de cruzamento do características semelhantes em diferentes imagens, com precisão de 99,7%, e dá alarme falso apenas uma vez a cada dois bilhões de pesquisas.

“Nós esperamos e acreditamos que o Facebook seja apenas a primeira de muitas”, disse Ernie Allen, presidente-executivo da entidade, ao americano The New York Times, em referência às empresas que possam usar o software. “Os serviços online vão se tornar um lugar hostil para a pornografia infantil e para os pedófilos”, acrescentou.

Segundo o NYT, a tecnologia PhotoDNA foi desenvolvida por Hany Farid, especialista em imagem digital na Microsoft, para ajudar instituições a obter cópias ocultas de imagens de exploração sexual infantil na internet, que são encaminhadas para a polícia em busca identificar os autores e também as vítimas do abuso.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email