Fernando Brito: Bolsonaro comete crime ao sugerir “pau de arara”

Editor do Tijolaço destaca que "a simples invocação da tortura é um crime internacional". Para ele, "a natureza de bravata vazia" está clara na fala de Bolsonaro, "mas não é vazia ao ponto de não se configurar em apologia da tortura como método de castigo, como fazem os seus apologia da ditadura ao invocarem a volta do AI-5"

(Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O clima de valentão de porta de botequim é a tônica de Jair Bolsonaro.

Mas hoje ele se superou dizendo que colocaria “no pau-de-arara” algum ministro seu que se visse metido em caso de corrupção.

Pau de arara – antes tivéssemos esquecido – é a barra em que se pendurava “suspeitos”, em geral nus, e neles se batia de pau ou com choques elétricos até que falasse aquilo que interessava às “autoridades”. Ou mais, dependendo das taras e perversões do interrogador.

Muitas das vezes, porém, a ameaça era – e é – apenas a exibição do valentão de vitrine, covarde e, na realidade, um frouxo que vai acabar dizendo o que não disse.

É o caso do senhor Jair Bolsonaro, que vai fazer exatamente isso quando for interpelado judicialmente, saindo pela tangente como fez no caso das ofensas e vilipêndios que fez à memória Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da OAB e que, aliás, passou antes de morrer por estes aparelhos de tortura.

Aliás, com um ministro já denunciado judicialmente por corrupção, a natureza de bravata vazia está claro.

Mas não é vazia ao ponto de não se configurar em apologia da tortura como método de castigo, como fazem os seus apologia da ditadura ao invocarem a volta do AI-5.

O sr. Jair Bolsonaro comete crime ao sugerir o “pau de arrara”, porque o Brasil, desde 1989, aderiu, por meio do Decreto nº 98.386, à Convenção Internacional contra a Tortura que diz, no item 2 de seu artigo 2° que “em nenhum caso poderão invocar-se circunstâncias excepcionais tais como ameaça ou estado de guerra, instabilidade política interna ou qualquer outra emergência pública como justificação para tortura”.

Ou seja, a simples invocação da tortura é um crime internacional.

Mas duvido que o Procurador Geral da República, Augisto Aras, tome a providência de denunciá-lo por isso.

Ninguém merece ser torturado. Nem um imbecil como o senhor Presidente.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247