Fernando Brito: decisão sobre Dario Messer mostra que MP não quer que a lei seja para todos

O jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, fez referência ao acordo de delação do doleiro Dario Messer sobre propina ao procurador da Lava Jato Januário Paludo. "O Ministério Público tornou-se uma corporação odiosa, ao permitir que para seus 'membros privilegiados', como aconteceu com a 'anistia prescricional' dada a Deltan Dallagnol, a lei não seja para todos"

Dario Messer
Dario Messer (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - A Procuradoria Geral da República, noticia o UOL, arquivou o trecho do acordo de delação premiada do doleiro Dario Messer em que ele fala dos pagamentos que mandaria fazer em favor do procurador Januário Paludo, integrante e “mentor” – o grupo dos procuradores no Whatsapp chamava-se “Filhos de Januário” – da Força Tarefa da Lava Jato.

Ok, ninguém quer massacrar um procurador com base numa simples acusação e acusação de um reconhecido criminoso e, portanto, nada alérgico à mentira e à burla da lei, embora o próprio Paludo seja um sujeito capaz, como revelou o The Intercept, de fazer afirmações levianas e abjetas sobre a morte de Marisa Letícia, por seu ódio visceral a Lula.

Mas a pergunta é óbvia: se Messer mente nesta acusação, porque não mentiria em outras?

Quando um acusado passa à condição de delator, sua unção no processo passa a ser, essencialmente, a de testemunha dos fatos e cria-se assim a obrigação de não mentir, algo ao qual o simples acusado não está obrigado. Para a testemunha vale o “jura dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade” que conhecemos dos filmes.

Não faz nenhum sentido ser aceito e homologado um acordo de delação premiada onde o delator, em tese, diz a verdade algumas vezes e em outras, mente.

Porque, obviamente, isso dá um poder abusivo e arbitrário a quem, teoricamente, investiga (ou não) o que é delatado de decidir contra quem e em quê, seletivamente, a delação será usada.

Não é a primeira nem a mais notória destas situações: antes dela, Delcídio do Amaral e Antonio Palocci tiveram delações mambembes aceitas apenas porque elas tinham o potencial de atingir Lula, mesmo que isso fosse feito com abuso de autoridade e que, depois, elas viessem a provarem-se mentirosas.

A única prova que o episódio revela é a que estamos cansados de conhecer: o Ministério Público tornou-se uma corporação odiosa, ao permitir que para seus “membros privilegiados”, como aconteceu anteontem com a “anistia prescricional” dada a Deltan Dallagnol, a lei não seja para todos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247