Fernando Brito: Desespero do ‘morismo’ não esconde a sua queda inevitável

"A estratégia da divulgação dos fatos segue, também, esta linha de preocupações. Como todos já perceberam, com a postura “amiga” da mídia, as dezenas de escãndalos deste governo (e este governo é produto da Lava Jato) faz deseparecerem os escândalos. Eles aparecem, submergem e só de tempos em tempos voltam com notícias esparsas", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, sobre os escândalos da Lava Jato envolvendo o ex-juiz Sérgio Moro; "Por isso, a revelação tem de ser lenta, cuidadosa, um fato por vez, para que tudo não seja lançado no esquecimento"

Brazil's Justice Minister Sergio Moro attends a session of the Public Security commission at the National Congress in Brasilia, Brazil May 8, 2019. REUTERS/Adriano Machado
Brazil's Justice Minister Sergio Moro attends a session of the Public Security commission at the National Congress in Brasilia, Brazil May 8, 2019. REUTERS/Adriano Machado (Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O ridículo “Pavão Misterioso”, perfil falso no Twitter que, há dias, tentou envolver o vazamentos das mensagens trocadas entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol ( e entre estes e outros integrantes da tal Força Tarefa da Lava Jato) ganhou agora uma versão impressa, na Istoé, o único veículo que topou se agarrar sem reservas às incríveis  teorias de uma conspiração internacional contra o atual ministro da Justiça.

Dispensa, como o tal Pavão, que se a depene, tão frágil é. O próprio Glenn Greenwald resume no Twitter: “A conspiração insana se contradiz. O desespero é feio.”

O grave na história é que ela envolve a Polícia Federal numa suposta “caçada ao hacker” sem que sequer tenha sido estabelecido que houve umhackeamento, até porque não houve perícia, ao que se saiba, em nenhum dos aparelhos de telefone que teriam sido invadidos.

E, lembremos, uma Polícia que não só está envolvida até a medula em toda a conspiração denunciada como está sob as ordens diretas do cada vez mais evidente chefe da operação.

Creio que a atitude do The Intercept de partilhar o material, como anunciou Greenwald, com outros órgão de imprensa, deve-se ao perigo real de que se use medidas de força para impedir sua divulgação.

Nem é preciso dizer que esta seria uma situação desastrosa para Moro mas, desastrados como são, não é algo que se possa descartar totalmente.

A estratégia da divulgação dos fatos segue, também, esta linha de preocupações. Como todos já perceberam, com a postura “amiga” da mídia, as dezenas de escãndalos deste governo (e este governo é produto da Lava Jato) faz deseparecerem os escândalos. Eles aparecem, submergem e só de tempos em tempos voltam com notícias esparsas.

Por isso, a revelação tem de ser lenta, cuidadosa, um fato por vez, para que tudo não seja lançado no esquecimento.

Lembrem-se de que se trata de alguém que foi erigido, numa heresia política e jurídica, à condição de um deus.

O processo será necessariamente lento e tenso.

Porque não é a construção de uma farsa, que é apresentadaa sempre com grandiosidade. Mas a reconstrução da verdade, que se faz passo a passo, tijolo por tijolo num desenho lógico.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247