Folha agride Lula para tentar manter gasolina, diesel e gás de cozinha mais caros da história no Brasil

Jornal contraria engenheiros, professores e especialistas em petróleo para defender a transferência da renda do petróleo aos acionistas privados

www.brasil247.com -
(Foto: Ricardo Stuckert | ABr)


247 – O jornal Folha de S. Paulo, que apoiou o golpe de estado de 2016, que teve como eixo central a transferência da renda do petróleo brasileiro para acionistas internacionais da Petrobrás, agride, nesta quarta-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para tentar manter a gasolina, o diesel e o gás de cozinha mais caros da história no Brasil – que são consequência da política de preços implantada após o golpe de estado.

"O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reabilita com notável frequência as ideias responsáveis pelo maior fracasso da política econômica brasileira neste século", escreve a Folha, em editorial absurdamente ignorante e arrogante. "O político petista, que parte para a sua sexta candidatura ao Planalto como primeiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, pretende convencer o público incauto de que a privatização da BR Distribuidora tem relação com a alta atual do preço dos combustíveis", prossegue o texto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O editorial da Folha ignora as posições dos engenheiros da Petrobrás e de grandes especialistas no setor de petróleo, como o professor Gilberto Bercovici, da USP, e parece defender interesses inconfessáveis. Confira a entrevista recente de Bercovici à TV 247:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email