Folha perdeu mais de 80% de seus assinantes em papel desde 2000, revela ombudsman

"Em 2000, a Folha contava, em média, com 440.655 assinantes no formato impresso. Desde então, mais de 350.000 assinaturas foram perdidas no papel—mais do que toda a circulação atual da Folha", aponta a ombudsman Flávia Lima, em artigo que escancara a tendência de morte dos jornais impressos

(Foto: Webysther | USP Imagens | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A morte dos jornais impressos é inexorável. É o que se depreende da coluna da ombudsman da Folha de S. Paulo, Flávia Lima, publicada neste domingo, em que ele revela que o jornal impresso perdeu praticamente 80% de seus assinantes, desde o ano 2000, em que a internet começou a se popularizar de vez.

"Em 2000, a Folha contava, em média, com 440.655 assinantes no formato impresso. Desde então, mais de 350.000 assinaturas foram perdidas no papel—mais do que toda a circulação atual da Folha", diz a jornalista, que apona a migração para assinaturas digitais. 

Hoje, a Folha tem cerca de 235 mil assinantes digitais e 86 mil assinantes da versão em papel, mas a tendência de queda do papel se acentual. "Em 2019, até novembro, a assinatura do papel caiu 13,3%. A digital subiu 17%, o que é positivo. Mas o quadro não é tão simples", afirma a ombudman. 

"A assinatura cheia do impresso custa hoje cerca de quatro vezes a do digital. É certo que o jornal digital quase não tem custos de impressão e distribuição, mas vive à base de tecnologia —além de gastos fixos, como a mão de obra. As assinaturas e os preços cobrados no digital são suficientes para cobrir esses gastos?", questiona.

Outro ponto importante é o fato de a Folha ter tentado explorar seus atritos com Jair Bolsonaro – que não entram na política econômica – para ganhar mais assinantes. Novembro, mês em que o presidente subiu o tom contra o jornal, foi um dos melhores do ano, com 2.640 novas assinaturas. “Nos momentos de ataques mais diretos à Folha, houve mobilização do público nos dias seguintes”, diz Antonio Manuel Teixeira Mendes, superintendente do Grupo Folha.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247