Folha se opõe às presidências de Renan e Alves

Para o jornal de Otávio Frias, a eleição dos peemedebistas ao comando do Senado e da Câmara emite um sinal desolador sobre o Congresso

Folha se opõe às presidências de Renan e Alves
Folha se opõe às presidências de Renan e Alves
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornal de Otávio Frias, autor nos últimos dias de uma série de denúncias contra Renan Calheiros e Henrique Alves, se declarou hoje contra a eleição de ambos às presidências do Senado e da Câmara. Para a Folha, isso emite um sinal desolador sobre o Congresso. Leia:

Presságios

A provável eleição de Renan Calheiros e Henrique Alves às presidências do Senado e da Câmara emite um sinal desolador sobre o Congresso

A condução dos peemedebistas Renan Calheiros (AL) e Henrique Eduardo Alves (RN) às presidências do Senado e da Câmara dos Deputados será um resultado tão previsível quanto desolador para as eleições que ocorrerão nas duas Casas no começo de fevereiro.

Previsível porque, alijado das disputas pelo Executivo, o PMDB se especializou em comandar o Legislativo. Desde 1985, a legenda dirigiu o Senado por quase 24 anos e a Câmara por 14. Nenhum outro partido demonstrou, nem remotamente, tamanho profissionalismo na captura desse aparelho estatal.

Mas essa vitória será também desoladora pela gravidade das suspeitas que, neste início de ano, pesam contra os dois congressistas -rodeados de assessores e empresas cuja reputação é duvidosa.

Como esta Folha revelou no domingo, recursos de emendas parlamentares apresentadas por Henrique Eduardo Alves abasteciam uma empresa de Aluizio Dutra de Almeida, assessor do deputado. Diante do escândalo, o auxiliar pediu demissão, mas o peemedebista manteve-se impassível: negou irregularidades e atribuiu tudo ao "jogo pré-eleitoral".

A situação de Renan Calheiros não é melhor. A título de pagar o aluguel do escritório político em Alagoas, o senador repassou verbas parlamentares ao seu suplente. Num outro episódio, Calheiros pediu ao Senado o reembolso de gastos com uma produtora -a Ovni Áudio Vídeo Produções-, mas a empresa nega que tenha prestado tais serviços ao congressista.

Como os dois peemedebistas insistem em manter suas candidaturas, seria razoável esperar, dadas as revelações, que parcela significativa dos parlamentares passasse a apoiar candidatos menos vulneráveis do ponto de vista ético -como o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e o deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Longe disso.

Nem mesmo a oposição julgou ser oportuno apoiar as postulações alternativas. O líder do PSDB na Câmara, Bruno Araujo (PE), afirmou que a bancada manterá o apoio ao governista PMDB, e o líder tucano no Senado, Alvaro Dias (PR), disse que a candidatura do PSOL é "isolada". Com inimigos assim, quem precisa de amigos?

Verdade que não será a primeira vez que políticos controversos comandarão o Legislativo. O próprio Calheiros renunciou à chefia do Senado em 2007, acusado de ter despesas pagas pelo lobista de uma empreiteira. Escândalos também levaram Jader Barbalho (PMDB) e Antonio Carlos Magalhães a abdicar de seus mandatos.

A lista não é menos extensa na Câmara. Ibsen Pinheiro (PMDB) foi cassado em 1994, Severino Cavalcanti (PMDB) renunciou em 2005 e João Paulo Cunha (PT) terminou condenado pelo STF a nove anos de prisão no processo do mensalão.

Parece que os congressistas têm uma atração quase irresistível por líderes dessa estirpe -o que, afinal, deve dizer muito sobre como eles veem a si mesmos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email