Frias enxerga Fla-Flu onde existe disputa entre golpismo e democracia

Em seu artigo em que critica o filme da Lava Jato, Otávio Frias Filho, dono da Folha de S. Paulo, adere ao discurso de que o Brasil vive hoje um "Fla-Flu", como se disputa fosse entre "coxinhas" e "mortadelas", e não entre o golpe, apoiado por seu jornal, e a democracia destruída por esse processo; "dizer que o atual conflito é uma guerra de torcidas é dizer que há apenas adesões irracionais a símbolos ou personalidades e tornar equivalentes os dois lados. No entanto, a linha divisória da política é golpismo versus antigolpismo, ataque aos direitos e liberdades versus resistência a este ataque, exceção versus democracia", ensina o cientista político Luis Felipe Miguel

Em seu artigo em que critica o filme da Lava Jato, Otávio Frias Filho, dono da Folha de S. Paulo, adere ao discurso de que o Brasil vive hoje um "Fla-Flu", como se disputa fosse entre "coxinhas" e "mortadelas", e não entre o golpe, apoiado por seu jornal, e a democracia destruída por esse processo; "dizer que o atual conflito é uma guerra de torcidas é dizer que há apenas adesões irracionais a símbolos ou personalidades e tornar equivalentes os dois lados. No entanto, a linha divisória da política é golpismo versus antigolpismo, ataque aos direitos e liberdades versus resistência a este ataque, exceção versus democracia", ensina o cientista político Luis Felipe Miguel
Em seu artigo em que critica o filme da Lava Jato, Otávio Frias Filho, dono da Folha de S. Paulo, adere ao discurso de que o Brasil vive hoje um "Fla-Flu", como se disputa fosse entre "coxinhas" e "mortadelas", e não entre o golpe, apoiado por seu jornal, e a democracia destruída por esse processo; "dizer que o atual conflito é uma guerra de torcidas é dizer que há apenas adesões irracionais a símbolos ou personalidades e tornar equivalentes os dois lados. No entanto, a linha divisória da política é golpismo versus antigolpismo, ataque aos direitos e liberdades versus resistência a este ataque, exceção versus democracia", ensina o cientista político Luis Felipe Miguel (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em seu artigo em que critica o filme da Lava Jato, Otávio Frias Filho, dono da Folha de S. Paulo, adere ao discurso de que o Brasil vive hoje um "Fla-Flu", como se disputa fosse entre "coxinhas" e "mortadelas", e não entre o golpe, apoiado por seu jornal, e a democracia destruída por esse processo.

"Certos de que seu filme seria atacado no flá-flu que polariza o país, os produtores alegam não ter recorrido a renúncia fiscal para financiar a película. Informa-se que o custo de R$ 16 milhões foi arcado por investidores que preferem ficar anônimos", diz Frias, sobre o filme que, na prática, é uma peça de propaganda contra o ex-presidente Lula.

A tolice de comparar a situação brasileira a uma guerra de torcidas, no entanto, é o aspecto mais grave do seu artigo. A esse respeito, vale a pena ler o texto do cientista político Luis Felipe Miguel, professor da Universidade de Brasília:

Luis Felipe Miguel

O discurso de que vivemos um "Fla x Flu" político é particularmente cretino. A torcida por um clube de futebol é em geral motivada por razões afetivas, tradições familiares ou algo assim. Mas dificilmente alguém vai dizer que o Flamengo traduz valores e projetos melhores do que o Fluminense ou vice-versa, ou vai basear sua opção na visão de mundo de Guerrero ou de Richarlison.
 
Dizer que o atual conflito é uma guerra de torcidas é dizer que há apenas adesões irracionais a símbolos ou personalidades e tornar equivalentes os dois lados. No entanto, a linha divisória da política é golpismo versus antigolpismo, ataque aos direitos e liberdades versus resistência a este ataque, exceção versus democracia.
 
Os adeptos da tese do Fla x Flu e os isentões em geral, ao negar esta divisão, estão legitimando a ofensiva da direita e corroborando o ponto central de seu discurso, de que não está ocorrendo no Brasil nenhuma ruptura com a ordem instituída pela Constituição de 1988. Isto é, escolheram com clareza seu próprio lado.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247