CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mídia

Gilmar Mendes a Reinaldo: "é coisa de bandidos"

Ministro do STF fala com blogueiro da Abril e ironiza reportagem de Carta Capital: "Pensei que fossem me acusar de ter matado Celso Daniel"; Marcos Valério publicou nota para dizer que documentos expostos pela reportagem são falsos

Gilmar Mendes a Reinaldo: "é coisa de bandidos" (Foto: Edição/247)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – O ministro Gilmar Mendes reagiu com ironia á denúncia de que teria recebido dinheiro de caixa 2 da campanha à reeleição de Eduardo Azeredo para o governo de Minas Gerais, em 1998, num esquema operado pelo publicitário Marcos Valério. A história estampa a capa da revista Carta Capital que começou a circular nesta sexta-feira. “Nossa! Que coisa! Cheguei a pensar que eles fossem me acusar de ter matado o prefeito Celso Daniel... Mas acho que eles sabem que não fui eu, como sabem que essa lista é uma farsa, coisa de bandidos!”, disse o ministro ao blogueiro Reinaldo Azevedo, que disse que “Não resta outra reação que não a ironia” para a reportagem publicada pela Carta Capital. O ministro faz menção ao ex-prefeito de Santo André assassinado em 2002 por supostamente ser contra um esquema que desviava dinheiro público para campanhas do PT. 

Segundo a reportagem da Carta Capital, "há um abismo entre a contabilidade oficial e a paralela" da campanha de Azeredo. Ele declarou à época ter gasto R$ 8 milhões na campanha, mas, na documentação assinada a registrada em cartório, o valor chega a R$ 104,3 milhões. Desse dinheiro, R$ 185 mil teria ido parar nas mãos de Gilmar Mendes. Também nesta sexta-feira, o advogado de Marcos Valério expediu nota à imprensa para expressar "perplexidade com o teor de matéria publicada nesta data pela revista Carta Capital". Ele sustenta que a apuração da reportagem da revista semanal foi "baseada em documentos e informações falsas".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO