Glenn no ‘Roda Viva’: 32 perguntas sobre seu jornalismo, 6 sobre o conluio na Lava Jato

A atuação dos entrevistadores do Roda Viva ante o jornalista Glenn Greenwald, na noite de ontem (2), o obrigou a dar uma aula sobre a profissão. Tentaram colocar Glenn contra a parede, como se o crime nas revelações do The Intercept Brasil, e não no conluio. com objetivos políticos, entre juiz e procuradores.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual - A atuação dos entrevistadores do Roda Viva ante o jornalista Glenn Greenwald, na noite de ontem (2), o obrigou a dar uma aula sobre a profissão. Tentaram colocar Glenn contra a parede, como se o crime nas revelações do The Intercept Brasil, e não no conluio. com objetivos políticos, entre juiz e procuradores.

As perguntas insistiram na ideia da imprensa corporativa – liderada pela Globo – de defesa cega da Lava Jato. Em vez de colocar na pauta o conteúdo do material obtido por Glenn, que incrimina gente poderosa como o ex-juiz, hoje ministro do governo Bolsonaro, Sergio Moro, elegeram como vilã a forma como o material foi obtido.

Não poucas os entrevistadores beiraram a hostilidade, insinuando que Glenn Greenwald teria relação com hackers.

Das 38 perguntas feitas pela bancada do Roda Viva, apenas seis tiveram relação com o conteúdo das ilegalidade reveladas pelas reportagens do The Intercept Brasil, envolvendo Moro e os procuradores liderados por Deltan Dallagnol. As outras 32 foram intimidações para que Glenn falasse sobre suas fontes, preocupação com o futura da Lava Jato, insinuando que Glenn estaria arruinando o combate à corrupção no Brasil.

O jornalista mostrou que não: a Vaza Jato fortalece o combate à corrupção ao revelar os métodos corruptos de Moro e da Lava Jato. Glenn teve de repetir conceitos básicos da profissão de jornalista para jornalistas. Foi obrigado a lecionar.

Resultados

A jornalista Milly Lacombe, da revista TPM, postou em sua conta no Twitter a análise dos entrevistadores do Roda Viva. “O que me causa estranheza – ontem como intuição, hoje como tabulação – é dedicar 84% das perguntas para colocar Greenwald numa parede em que deveriam estar Deltan, Moro e cia”, questionou.

Milly lembrou que, naturalmente, questões sobre o método jornalístico apareceriam na entrevista. É de interesse comum. Mas o bizarro foi a atenção total. “Portanto, apenas 16% das perguntas questionaram o conteúdo de revelações que podem mudar a história do Brasil. Eu acho natural que haja perguntas sobre o hacker, sobre os métodos da Vaza Jato, sobre riscos para a Lava Jato. Isso também é jornalismo (…) Isso sem falar na paranoia de um dos jornalistas com o Lula, cujo nome entrava em quase todas as perguntas que ele fazia. Eu acho uma pena”, finalizou.

Ainda sobre a obtenção do material e a obsessão dos entrevistadores, o editor-chefe do The Intercept Brasil, Leandro Demori, ironizou: “Outras perguntas que eu sempre estranho em entrevistas (e foram repetidas no Roda Viva) são as sobre a ética da fonte ou sobre possíveis crimes da fonte, como se jornalistas só trabalhassem com informações obtidas com a Virgem Maria (…) Jornalistas conseguem informações com traficantes, com assassinos, com milicianos e com corruptos de toda sorte. Quantos furos Eduardo Cunha deu para jornalistas brasileiros? Por que isso nunca virou um caso tão debatido assim?”

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247