Globo abre guerra contra Intercept e escala Merval para atacar site de Glenn

Um dia depois da revelação de que a Lava Jato quis comprar um comercial na Globo com dinheiro da Justiça, o Grupo Globo escalou seu cão de guarda para relativizar a matéria do jornal Folha de S. Paulo que revela o procurador Deltan Dallagnol tentanto enriquecer ilicitamente; o jornalista Merval Pereira afirmou que as informações confirmadas em mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram são uma questão de "interpretação"

Bolsonaro é o Chacrinha da política, diz Merval
Bolsonaro é o Chacrinha da política, diz Merval

247 - Um dia depois da revelação de que a Lava Jato quis comprar um comercial na Globo com dinheiro da Justiça, o Grupo Globo escalou seu cão de guarda para relativizar a matéria do jornal Folha de S. Paulo que revela o procurador Deltan Dallagnol tentanto enriquecer ilicitamente. O jornalista Merval Pereira afirmou que as informações confirmadas em mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram são uma questão de "interpretação".  

Em sua coluna no jornal O Globo, Merval Pereira afirma que "a divulgação de diálogos, escritos e falados, atribuídos aos procuradores da Lava Jato, entre si e com o então juiz Sérgio Moro, não revelou nenhuma ação que distorcesse a investigação, que forjasse provas inexistentes, que indicasse conluio contra qualquer investigado da Operação Lava Jato, muito menos o ex-presidente Lula, o objetivo evidente da operação de invasão de celulares."

O jornalista defende a tese de que tudo não passa de interpretação: "estamos até o momento no terreno da interpretação das leis. Assim como o site Intercept Brasil, que divulga o material, tem lado evidente, vendo ilegalidade em todas as conversas entre os personagens, há inúmeros juristas e advogados que entendem ao contrário."

Merval ainda chama de "sinergia" as relações promíscuas entre Moro e Dallagnol, como se tudo estivesse dentro da mais perfeita normalidade, tese já rechaçada pela maioria esmagadora dos juristas brasileiros, bem como os órgãos de controle, que pedem investigação de Dallagnol: "a busca da sinergia entre as diversas corporações que trabalham em conjunto – Ministério Público, Polícia Federal, Receita Federal – é o que dá sentido às forças-tarefa. As etapas das operações tinham que ser autorizadas por Moro, como questões logísticas e exigências legais, como formalização de atos."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247