Haddad diz que na geopolítica 'pouca coisa se altera com Biden'

Para o ex-candidato do PT à Presidência da república em 2018, depois da vitória de Biden "os Estados Unidos continuarão de olho no petróleo da Venezuela e da Arábia Saudita, dizendo defender a democracia naquele país enquanto apoiam a monarquia absolutista neste outro, sem nenhum constrangimento"

Fernando Haddad
Fernando Haddad (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "O que esperar da muito provável vitória de Joe Biden? Há vantagens na derrota de Donald Trump. Devemos esperar mudanças em relação ao meio ambiente, nas dimensões climática e sanitária e em relação aos direitos humanos quanto ao racismo e à xenofobia”. Biden parece também ter mais apreço pela democracia, pelo menos no seu próprio país", escreve Fernando Haddad na Folha de S.Paulo.

Haddad critica os argumentos extra-econômicos dos Estados Unidos na disputa com a China acerca do 5G. "Sob o manto da segurança nacional, há uma rixa econômica empedernida entre grandes potências, antes em torno da navegação marítima, hoje, da virtual", escreve o petista.

Na opinião de Haddad, porém, "pouca coisa se altera com Biden" quanto à geopolítica. "Os Estados Unidos continuarão de olho no petróleo da Venezuela e da Arábia Saudita, dizendo defender a democracia naquele país enquanto apoiam a monarquia absolutista neste outro, sem nenhum constrangimento". 

Haddad critica severamente a postura do Brasil na relação com a China: "O amadorismo de Jair Bolsonaro nos torna uma presa fácil num mundo de predadores profissionais".

Leia a íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247