James Murdoch: achava que a prática dos grampos ilegais era coisa do passado

A declarao foi feita no inqurito da Comisso Leveson, criado em 2011 pelo premi britnico e presidida pelo juiz Brian Leveson para apurar as interceptaes telefnicas feitas pelo jornal News of the World

James Murdoch: achava que a prática dos grampos ilegais era coisa do passado
James Murdoch: achava que a prática dos grampos ilegais era coisa do passado (Foto: Olivia Harris/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – James Murdoch, filho do magnata Rupert Murdoch, afirmou em juízo nesta manhã que não havia nenhuma evidência de uso de grampos telefônicos ilegais no jornal News of The World quando assumiu a News International. A declaração foi feita no inquérito da Comissão Leveson, criado em 2011 pelo premiê britânico e presidida pelo juiz Brian Leveson. A comissão tem o poder de convocar testemunhas, que depõem sob juramento. Desde novembro, ouviu uma sucessão de importantes jornalistas e vítimas de escutas telefônicas. Também ouviu o pai e a mãe de Milly Dowler. A revelação de que o jornal sensacionalista havia instalado uma escuta no celular da estudante assassinada causou forte indignação pública e forçou o premiê a dar início ao inquérito.

Murdoch disse que recebeu garantias da Comissão de Reclamações da imprensa de que as intercepções ilegais de mensagens de voz eram "coisa do passado".

Ele admitiu que os sistemas corporativos do News International não conseguiram identificar riscos jurídicos decorrentes dos métodos do jornal para encontrar histórias.

Centenas de manifestantes juntaram-se hoje à porta do High Court, em Londres, onde James Murdoch, é ouvido. Rupert Murdoch irá depor amanhã.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email