Janio: crise brasileira passou de política a institucional

O jornalista Janio de Freitas comenta em sua coluna, na edição deste domingo (4), que o Brasil vive uma crise institucional; "O Brasil está no terceiro ano de uma desconstrução que só tem encontrado estímulos, nenhum obstáculo. A crise passou de política a institucional, como previsível. Quem apoiou o impeachment com a ideia de que seria um fato isolado tem elementos agora para começar a entendê-lo. O confronto protagonizado por Judiciário e Legislativo tem as formas de divergências legais e vinditas mútuas, mas o seu fundo é institucional: é disputa de poder", diz; segundo ele, Temer, que arquitetou o golpe ao lado de Aécio Neves, é agora o alvo

O jornalista Janio de Freitas comenta em sua coluna, na edição deste domingo (4), que o Brasil vive uma crise institucional; "O Brasil está no terceiro ano de uma desconstrução que só tem encontrado estímulos, nenhum obstáculo. A crise passou de política a institucional, como previsível. Quem apoiou o impeachment com a ideia de que seria um fato isolado tem elementos agora para começar a entendê-lo. O confronto protagonizado por Judiciário e Legislativo tem as formas de divergências legais e vinditas mútuas, mas o seu fundo é institucional: é disputa de poder", diz; segundo ele, Temer, que arquitetou o golpe ao lado de Aécio Neves, é agora o alvo
O jornalista Janio de Freitas comenta em sua coluna, na edição deste domingo (4), que o Brasil vive uma crise institucional; "O Brasil está no terceiro ano de uma desconstrução que só tem encontrado estímulos, nenhum obstáculo. A crise passou de política a institucional, como previsível. Quem apoiou o impeachment com a ideia de que seria um fato isolado tem elementos agora para começar a entendê-lo. O confronto protagonizado por Judiciário e Legislativo tem as formas de divergências legais e vinditas mútuas, mas o seu fundo é institucional: é disputa de poder", diz; segundo ele, Temer, que arquitetou o golpe ao lado de Aécio Neves, é agora o alvo (Foto: Valter Lima)

247 - O jornalista Janio de Freitas comenta em sua coluna, na edição deste domingo (4), que o Brasil vive uma crise institucional. "O Brasil está no terceiro ano de uma desconstrução que só tem encontrado estímulos, nenhum obstáculo. A crise passou de política a institucional, como previsível. Quem apoiou o impeachment com a ideia de que seria um fato isolado tem elementos agora para começar a entendê-lo. O confronto protagonizado por Judiciário e Legislativo tem as formas de divergências legais e vinditas mútuas, mas o seu fundo é institucional: é disputa de poder", diz ele.

Segundo ele, "os sussurros e a cerimônia começam a desaparecer, em favor da objetividade". "É um estágio conhecido. Temer o conhece como praticante, desde quando costurava com Aécio Neves a conspiração do impeachment. Agora o conhece como alvo. Sem a companhia de Aécio. Aliás, parece possível dizer, apenas, sem companhia: não faltam nem peemedebistas de alto escalão, digamos, nas inquietações. Não é outro o motivo do chamado do atônito Temer a Armínio Fraga, guru do neoliberalismo, e ao PSDB para se imiscuírem no gabinete de Henrique Meirelles, cuja carta branca é cassada sem aviso prévio e publicamente", diz.

Janio também acredita que os 25 meses que restam do atual governo podem não se efetivar. "Daqui à sucessão normal são 25 meses. Mais de três vezes os meses que desmoralizaram a propaganda sobre as maravilhas do governo pós-impeachment, com Temer, Geddel, Moreira e outros. E o PSDB, com três ministros, como avalista. São 25 meses em que o teto de gastos e a reforma da Previdência, se chegarem à realidade, ainda não terão produzido mais do que as conhecidas agitações ou, cabe presumir, convulsão mesmo. Mas certas pessoas nem pensam mais nos meses que faltam. Ou faltariam", diz.

Leia na íntegra aqui.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247