Janio: Lava Jato cria regime autoritário por combate à corrupção

Colunista Janio de Freitas afirmou neste domingo, 20, que em nome do combate à corrupção, está se instalando no Brasil um regime autoritário; "Os excessos do juiz Sergio Moro e os da Lava Jato devem-se, em grande parte, à irresponsabilidade de uns e à má informação da maioria que incentivam prepotência e ódio porque não podem pedir sangue e morte, que é o seu desejo", afirmou; Janio criticou os grampos e sua divulgação ilegal, bem como o argumento defendido pela mídia de que o conteúdo da conversa justifica a ação ilegal

Colunista Janio de Freitas afirmou neste domingo, 20, que em nome do combate à corrupção, está se instalando no Brasil um regime autoritário; "Os excessos do juiz Sergio Moro e os da Lava Jato devem-se, em grande parte, à irresponsabilidade de uns e à má informação da maioria que incentivam prepotência e ódio porque não podem pedir sangue e morte, que é o seu desejo", afirmou; Janio criticou os grampos e sua divulgação ilegal, bem como o argumento defendido pela mídia de que o conteúdo da conversa justifica a ação ilegal
Colunista Janio de Freitas afirmou neste domingo, 20, que em nome do combate à corrupção, está se instalando no Brasil um regime autoritário; "Os excessos do juiz Sergio Moro e os da Lava Jato devem-se, em grande parte, à irresponsabilidade de uns e à má informação da maioria que incentivam prepotência e ódio porque não podem pedir sangue e morte, que é o seu desejo", afirmou; Janio criticou os grampos e sua divulgação ilegal, bem como o argumento defendido pela mídia de que o conteúdo da conversa justifica a ação ilegal (Foto: Aquiles Lins)

247 - O colunista Janio de Freitas, da Folha de S. Paulo, afirmou neste domingo, 20, que em nome do combate à corrupção, está se instalando no Brasil um regime autoritário.

"Os excessos do juiz Sergio Moro, apontados no sensato editorial "Protagonismo perigoso" da Folha(18.mar), e os da Lava Jato devem-se, em grande parte, à irresponsabilidade de uns e à má informação da maioria que incentivam prepotência e ódio porque não podem pedir sangue e morte, que é o seu desejo", afirmou.

Janio critica as interceptações telefônicas e a divulgação de conversas envolvendo a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Moro e seus apoiadores alegam que as gravações clandestinas foram legais porque cobertas por (sua) ordem judicial, válida até 11h12 da quinta 17. Dilma e Lula foram gravados às 13h32. Esta gravação sem cobertura judicial foi jogada para culpa da telefônica. Mas quem a anexou como legal a um inquérito foi a PF, em absoluta ilegalidade. E quem divulgou a gravação feita sem cobertura judicial foi o juiz Sergio Moro, cerca de 16h20", descreve.

O colunista também fez críticas ao que chamou de "incoerências" do Supremo Tribunal Federal. "O STF decidiu desconectar as ações sobre contas externas de Eduardo Cunha e de Cláudia Cruz: a dela foi entregue a Moro. No mensalão, em 38 julgados no STF só três tinham foro privilegiado. Os demais foram considerados conexos. Há duas semanas, o STF manteve em seu âmbito, como conexos, os processos do senador Delcídio e o do seu advogado. Por que a decisão diferente para Cruz? A incoerência não pode impedir suposições de influência da opinião pública, por se tratar de Cunha e sua mulher".

"Muitos sustentam, como o advogado Ives Gandra, que "a gravação [a ilegal] torna evidente que o intuito da nomeação [como ministro] foi proteger Lula", o que justificaria o impeachment. Foi o mesmo intuito da medida provisória de FHC que deu ao advogado-geral da União título de ministro para proteger Mendes, com foro especial, contra ações judiciais em primeira instância. Uns poucos exemplos já mostram a dimensão do que se está arruinando no Brasil, talvez sem volta", finaliza. 

Leia o texto na íntegra. 

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247