Jorge Castañeda avisa: teremos 'Bolsonaro versus Maduro'

O escritor e político mexicano Jorge Castañeda escreve artigo para o The New York Times em que vê a América do Sul diante de um impasse geopolítico de grandes proporções; ele diz: "Jair Bolsonaro foi investido como novo presidente do Brasil na semana passada. Nicolás Maduro, que assumiu a presidência da Venezuela em 2013 após a morte de Hugo Chávez, tomou posse para um segundo mandato na quinta-feira. As duas investiduras ilustram as ameaças enfrentadas pela democracia, pelos alinhamentos internacionais e a unidade da América Latina"

Jorge Castañeda avisa: teremos 'Bolsonaro versus Maduro'
Jorge Castañeda avisa: teremos 'Bolsonaro versus Maduro'

247 - O escritor e político mexicano Jorge Castañeda escreve artigo para o The New York Times em que vê a América do Sul diante de um impasse geopolítico de grandes proporções. Ele diz: "Jair Bolsonaro foi investido como novo presidente do Brasil na semana passada. Nicolás Maduro, que assumiu a presidência da Venezuela em 2013 após a morte de Hugo Chávez, tomou posse para um segundo mandato na quinta-feira. As duas investiduras ilustram as ameaças enfrentadas pela democracia, pelos alinhamentos internacionais e a unidade da América Latina."

O artigo, republicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, levanta os perfis de ambos os governantes recém-empossados. Ele fala do brasileiro: "Bolsonaro é um ex-militar de direita com um histórico de declarações incendiárias sobre todos os assuntos, desde os direitos dos gays às mulheres, aos afro-brasileiros e Donald Trump. Ele foi eleito numa onda de sentimento antissistema e anticorrupção no Brasil, e também por causa do desalento dos cidadãos com o número recorde de crimes (embora sua família já tenha sido acusada de corrupção). Ele de imediato entrou em atrito com outros líderes latino-americanos – cancelando os convites a Maduro e o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, para participar de sua posse – e praticamente rompeu relações diplomáticas com Venezuela."

E comenta características do venezuelano: "Maduro, por seu lado, militarizou todas as instituições da Venezuela. Distribuiu armas automáticas a suas milícias e grupos paramilitares conhecidos como 'colectivos'. Continua a sustentar Cuba, Bolívia e Nicarágua com dinheiro do petróleo e novamente fez aumentar as tensões com a Colômbia: o novo presidente colombiano, Iván Duque, acusou a Venezuela de 'enviar assassinos para matá-lo'. Originalmente, Maduro foi eleito mais ou menos democraticamente. Mas hoje faz parte de um grupo cada vez maior de líderes autoritários na América Latina que exercem o poder antidemocraticamente."

Castañeda entende que a conjunção de dois políticos com essas características pode mudar a América Latina para sempre: "nada disso é de bom augúrio para a América Latina. De 2003 a 2012, a região registrou um longo período de forte crescimento, amplamente financiado pelos altos preços das commodities. Após 2013 começou a desaceleração econômica, quando os preços despencaram e escândalos de corrupção irromperam por todo os lados. Mas as instituições se mantiveram firmes na maior parte do tempo e em muitos países; a democracia foi ameaçada somente por um número crescente de líderes que desejavam se perpetuar no poder por meios eleitorais, porém escusos."

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247