Kennedy: aumento salarial para STF é “imoralidade chapada”

"Num país em que a recessão comeu quase 8 pontos percentuais do PIB (Produto Interno Bruto), no qual doenças do século 20 voltaram a preocupar e com uma massa de desempregados, só o egoísmo de uma elite que já ganha muito bem explica a tentativa de reajustar salários no meio da enorme crise fiscal", critica o jornalista

Kennedy: aumento salarial para STF é “imoralidade chapada”
Kennedy: aumento salarial para STF é “imoralidade chapada”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Numa nota intitulada "sem noção", o jornalista Kennedy Alencar bate duro na intenção dos ministros do Supremo Tribunal Federal de tentar aumentar seus salários em 16,38% para o Orçamento de 2019.

"Num país em que a recessão comeu quase 8 pontos percentuais do PIB (Produto Interno Bruto), no qual doenças do século 20 voltaram a preocupar e com uma massa de desempregados, só o egoísmo de uma elite que já ganha muito bem explica a tentativa de reajustar salários no meio da enorme crise fiscal", critica.

"O ministro Luiz Fux, sempre tão falante para antecipar julgamentos em relação a Lula, deveria ser o primeiro a defender o fim da sua decisão liminar, monocrática e precária que criou a farra do auxílio-moradia. Deveria também se posicionar contra aumento salarial nesta hora", alfineta ainda Kennedy Alencar.

"Afinal, trata-se de uma imoralidade chapada com efeito cascata danoso para as contas públicas. A aprovação de aumento salarial agora seria um tapa na cara da sociedade", conclui. Leia aqui seus outros comentários.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247