Kennedy: Dallagnol não atende padrão ético que cobra de políticos

O jornalista Kennedy Alencar critica o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, que celebrou a decisão do ministro do STF Luiz Fux de proibir Lula de ser entrevistado em 2018; "O Brasil não deve trilhar o caminho de uma república de bananas, mas o de uma democracia plena. Isso significa responsabilizar todos igualmente perante a lei"

(Foto: 247 | ALESP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Kennedy Alencar critica o procurador da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol, que celebrou em setembro de 2018 a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux de proibir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser entrevistado.

"O Brasil não deve trilhar o caminho de uma república de bananas, mas o de uma democracia plena. Isso significa responsabilizar todos igualmente perante a lei. Atuação política de procuradores da República é ilegal", escreve o jornalista no blog dele.

"A função de Procurador da República é função de Estado, não de governos ou partidos. O áudio em que Deltan Dallagnol celebra a censura de uma entrevista de Lula à 'Folha de S.Paulo' evidencia uma atuação política do procurador da República, que deveria agir tecnicamente", complementa.

Segundo Alencar, o áudio "derruba a tese de que as mensagens obtidas pelo 'The Intercept Brasil' tenham sido adulteradas". "Dallagnol deveria entregar o seu celular funcional para perícia da Polícia Federal. Outros procuradores deveriam fazer o mesmo, pois são funcionários públicos".

Leia a íntegra no Blog do Kennedy Alencar

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247