Kennedy destaca 'clara inflexão' pró-Dilma de Renan

"Há uma clara inflexão dos senadores nos últimos dias, sobretudo daqueles da base de apoio em geral e do PMDB em especial", escreve o colunista Kennedy Alencar; "O presidente do Senado mudou o tom da água para o vinho. Disse ontem que o impeachment não é prioridade do Congresso e afirmou que tratar disso seria atear fogo no país. É uma atitude totalmente diferente da que vem sendo adotada por Cunha", afirma

"Há uma clara inflexão dos senadores nos últimos dias, sobretudo daqueles da base de apoio em geral e do PMDB em especial", escreve o colunista Kennedy Alencar; "O presidente do Senado mudou o tom da água para o vinho. Disse ontem que o impeachment não é prioridade do Congresso e afirmou que tratar disso seria atear fogo no país. É uma atitude totalmente diferente da que vem sendo adotada por Cunha", afirma
"Há uma clara inflexão dos senadores nos últimos dias, sobretudo daqueles da base de apoio em geral e do PMDB em especial", escreve o colunista Kennedy Alencar; "O presidente do Senado mudou o tom da água para o vinho. Disse ontem que o impeachment não é prioridade do Congresso e afirmou que tratar disso seria atear fogo no país. É uma atitude totalmente diferente da que vem sendo adotada por Cunha", afirma (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O colunista Kennedy Alencar destacou nesta terça-feira, 11, a mudança de comportamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da bancada do PMDB no Senado, demonstrando afastamento da chamada "pauta-bomba" estimulada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"O presidente do Senado mudou o tom da água para o vinho. Disse ontem que o impeachment não é prioridade do Congresso e afirmou que tratar disso seria atear fogo no país. É uma atitude totalmente diferente da que vem sendo adotada por Cunha", afirmou Kennedy.

Ele lembra medidas tomadas por Renan que desagradaram o governo da presidente Dilma Rousseff, como a devolução da medida provisória que reduzia a desoneração de impostos, obrigando o governo a apresentar um projeto de lei. O Senado também aprovou o reajuste do Poder Judiciário, que a presidente Dilma teve de vetar. "Há uma clara inflexão dos senadores nos últimos dias, sobretudo daqueles da base de apoio em geral e do PMDB em especial", diz o colunista.

Segundo Kennedy, a mudança de atitude de Renan Calheiros, mais aproximada ao governo, te a ver com a investigações da operação Lava Jato, em que ele é citado.  "Informação de bastidor de que o inquérito em relação a ele no Supremo Tribunal Federal está num ponto de tramitação mais atrasado do que o de Cunha, do senador Fernando Collor e de outros políticos", conta. "A tendência é que Renan fique fora da próxima fornada de denúncias do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Só isso já dá ao peemedebista um fôlego na atual crise e o ajuda a se reaproximar do governo", completa.

Leia na íntegra o comentário de Kennedy Alencar.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email