Kotscho: sociedade vê o barco afundar e não reage

Em uma "carta aberta à sociedade civil", o jornalista Ricardo Kotscho faz um resumo da situação do país e questiona: "igrejas, universidades, confederações de empresários e de trabalhadores, movimentos sociais e populares, entidades de classe, artistas, intelectuais, onde foi parar todo mundo?"

Em uma "carta aberta à sociedade civil", o jornalista Ricardo Kotscho faz um resumo da situação do país e questiona: "igrejas, universidades, confederações de empresários e de trabalhadores, movimentos sociais e populares, entidades de classe, artistas, intelectuais, onde foi parar todo mundo?"
Em uma "carta aberta à sociedade civil", o jornalista Ricardo Kotscho faz um resumo da situação do país e questiona: "igrejas, universidades, confederações de empresários e de trabalhadores, movimentos sociais e populares, entidades de classe, artistas, intelectuais, onde foi parar todo mundo?" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em uma "carta aberta à sociedade civil", publicada em seu blog, o jornalista Ricardo Kotscho faz um apelo ao povo brasileiro, lembrando a todos da situação do País: desemprego, discursos de ódio... "Igrejas, universidades, confederações de empresários e de trabalhadores, movimentos sociais e populares, entidades de classe, artistas, intelectuais, onde foi parar todo mundo?", questiona.

"Chegamos a um ponto limite em que não há mais governo nem oposição, apenas uma geleia geral de interesses disputados no varejo, na vala comum da mediocridade. Para saber a profundidade do poço que cavamos e de onde nos metemos com a nossa omissão basta abrir o Facebook", diz ele.

Leia a íntegra no Balaio do Kotscho.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247