Leonel Radde deixa Movimento dos Policiais Antifascismo por posição sobre motim no Ceará

O policial gaúcho diz que integrantes do Movimento “passam a mão por cima de milicianos” e isso “é um erro histórico, grave”. Ele diz que o grupo do Ceará “é ligado ao governo Bolsonaro e a políticos da extrema-direita”

Leonel Rade
Leonel Rade (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O policial civil Leonel Radde postou um vídeo nas redes sociais explicando por que decidiu se afastar do Movimento dos Policiais Antifascismo após nota publicada pelo grupo a respeito do motim da Polícia Militar que acontece no Ceará.

Segundo ele, o movimento, com a nota, “passa a mão por cima de milicianos”, o que em sua avaliação “é um erro histórico, grave, principalmente porque é um grupo ligado ao governo Bolsonaro, a políticos da extrema-direita e que não estão mais participando do movimento grevista, que é legítimo”.

“O que a gente está vendo ali é uma série de abusos criminosos, que voltam inclusive contra os seus próprios colegas da polícia”, descreve.

Outro problema da nota divulgada, segundo ele, foi comparar governadores progressistas com o governo Bolsonaro. “Colocam do mesmo lado, como se fossem as mesmas forças. Um erro de avaliação e uma infantilidade também”.

“Me afastei, mas sigo tendo admiração por pessoas que compõem o movimento e pelo movimento em si”, finaliza Radde. Assista:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247