Mãe de Cazuza denuncia fake news do ministro da Educação contra seu filho

Lucinha Araújo, mãe do cantor e compositor Cazuza, morto em 1990 em função do HIV, escreveu uma carta aberta a Ricardo Vélez Rodríguez, ministro da Educação para protestar contra o uso mentiroso por parte do ministro de uma frase do filho; ela diz que na entrevista à "Veja", Vélez afirmou que Cazuza "pregava que liberdade é passar a mão no guarda"; só que Cazuza nunca disse isso. Foi uma 'piada' de programa humorístico

Mãe de Cazuza denuncia fake news do ministro da Educação contra seu filho
Mãe de Cazuza denuncia fake news do ministro da Educação contra seu filho
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Lucinha Araújo, mãe do cantor e compositor Cazuza, morto em 1990 em função do HIV, escreveu uma carta aberta a Ricardo Vélez Rodríguez, ministro da Educação para protestar contra o uso mentiroso por parte do ministro de uma frase do filho. Ela diz que na entrevista à "Veja", Vélez afirmou que Cazuza "pregava que liberdade é passar a mão no guarda". Só que Cazuza nunca disse isso. Foi uma 'piada' de programa humorístico. 

Segundo a coluna de Ancelmo Góis, publicada no jornal O Globo, Lucinha escreveu: "se meu filho estivesse vivo, tenho certeza de que ele me pediria piedade (...) Mas como não sou ele e minha idade suprimiu os panos quentes, considero inadmissível uma pessoa, ocupando o cargo que ocupa, não ter a preocupação de, sem compromisso com a verdade, citar uma pessoa pública."

A coluna ainda informa que "Lucinha — que, desde morte do filho, há 28 anos, dedica-se ao trabalho voluntário de amparar crianças, jovens e adultos soropositivos — lembra que Cazuza foi a primeira pessoa pública no Brasil a assumir sua condição de HIV positivo, 'o que possibilitou a luta pelo acesso universal ao tratamento, o que fez do Brasil um país reconhecido mundialmente pelo programa de Aids'."

E complementa: "no fim, ela escreveu que gostaria de deixar aberta a possibilidade de o ministro se retratar publicamente, 'para que não seja necessário ter de tomar providencias jurídicas'."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247