Malu Gaspar diz que CFM abandonou ética médica e protegeu "doutores macabros"

Colunista acusa o Conselho Federal de Medicina de cumplicidade com os experimentos macabros patrocinados pelo bolsonarismo

(Foto: Divulgação | Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – "Embora escasso em surpresas, o discurso de Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU trouxe um trecho que chamou a atenção. Ao fazer uma defesa enfática do 'tratamento precoce' contra a Covid-19 (leia-se cloroquina), apoiando-se na recomendação do “nosso Conselho Federal de Medicina”, Bolsonaro cobrou os líderes presentes: 'Não entendemos por que muitos países, juntamente com grande parte da mídia, se colocaram contra o tratamento inicial. A História e a ciência saberão responsabilizar a todos'. "Bom, se o presidente não entende, não há o que se possa fazer. O que a ciência tem dito é que o 'tratamento precoce' não tem eficácia contra a Covid-19", escreve a jornalista Malu Gaspar, em sua coluna no Globo.

"O que é possível afirmar com certeza é que essas iniciativas só foram tão longe porque quem tinha a função de pará-las não o fez. Porque o Conselho Federal de Medicina, que deveria zelar pela ética médica, empenhou os maiores esforços não para proteger os pacientes, mas sim os macabros doutores brasileiros", assinala.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email