Mauricio Dias: Temer cometeu crime de responsabilidade e deve renunciar

"A lembrança de um pequeno trocadilho, muito além de deduções políticas complexas ou elementares, é o melhor caminho para Michel Temer livrar-se da tormenta em que se meteu. É tudo muito simples. Basta abrir a porta do Palácio do Planalto e sair", diz o jornalista Maurício Dias, colunista da Carta Capital

Presidente Michel Temer durante lançamento de nova linha de crédito da Caixa Econômica Federal no Palácio do Planalto, em Brasília, Brasil 24/11/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Michel Temer durante lançamento de nova linha de crédito da Caixa Econômica Federal no Palácio do Planalto, em Brasília, Brasil 24/11/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Leonardo Attuch)

Por Maurício Dias, na Carta Capital

A lembrança de um pequeno trocadilho, muito além de deduções políticas complexas ou elementares, é o melhor caminho para Michel Temer livrar-se da tormenta em que se meteu. É tudo muito simples. Basta abrir a porta do Palácio do Planalto e sair. 

Temer cometeu crime de responsabilidade, como já foi amplamente falado, por pressionar um ministro, Marcelo Calero, da Cultura, em defesa dos interesses particulares de outro ministro, Geddel Vieira Lima, da Secretaria de Governo. Ambos já fora das respectivas funções.

Agora, sem nenhum constrangimento, Temer partiu em defesa de si mesmo. Para manter o cargo, afiançou aos cidadãos: “Qualquer fatorzinho abala as instituições”. Ele botou toda a culpa no Brasil. 

A fruta balançou, mas não caiu do galho. O episódio, no entanto, não foi encerrado e ainda é passível de trazer surpresa. Pode vir até mesmo no trajeto do pedido de impeachment protocolado na Câmara dos Deputados pelo PSOL, partido pequeno e ousado. A CUT seguiu o partido e também pediu o impeachment do presidente. Sonhadores?

Sonho começa assim. Ora acaba, ora vira realidade.

Leia a íntegra na Carta Capital.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247