Mello Franco diz que Gilmar assumiu de vez o papel de escudeiro de Temer

"Os advogados de defesa não foram convidados a falar no segundo dia de julgamento da chapa Dilma-Temer. Na verdade, nem precisavam. O ministro Gilmar Mendes assumiu de vez o papel de escudeiro do governo no TSE. Com duas vantagens: ele é o presidente da corte e ainda terá direito a votar no final", escreve o colunista Bernardo Mello Franco

Mello Franco, Gilmar mendes, Michel Temer
Mello Franco, Gilmar mendes, Michel Temer (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O colunista Bernardo Mello Franco destacou a postura abertamente pró-governo adotada pelo ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), durante o julgamento que pode cassar Michel Temer na corte.

"Os advogados de defesa não foram convidados a falar no segundo dia de julgamento da chapa Dilma-Temer. Na verdade, nem precisavam. O ministro Gilmar Mendes assumiu de vez o papel de escudeiro do governo no TSE. Com duas vantagens: ele é o presidente da corte e ainda terá direito a votar no final.

Gilmar não mediu palavras para confrontar o ministro Herman Benjamin. No início da sessão, ele acusou o colega de usar um argumento 'falacioso' ao defender o uso de provas fornecidas pela Odebrecht.

'Agora Vossa Excelência teria mais um desafio: manter o processo aberto e trazer delações da JBS. E talvez na semana que vem as delações de Palocci', ironizou Gilmar.

Sem perder a calma, Benjamin lembrou que a JBS não está na ação. E acrescentou que a Odebrecht é citada três vezes no pedido de cassação da chapa, formulado pelo PSDB.

(...)

Depois de discursar sobre o papel do Estado na economia, defender a reforma política e recitar palavras em alemão, Gilmar deixou escapar uma frase sincera: "Não estou aqui a defender a cassação de mandato". Quem ousaria pensar o contrário?"

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247