Mello Franco: Wassef ameaça arrastar Bolsonaro para o abismo

Jornalista Bernardo Mello Franco ressalta que de tudo que o advogado Frederick Wassef falou, "só uma declaração importa de fato". “Se bater no Fred, atinge o presidente. Eu e o presidente viramos uma pessoa só”, afirmou. A família acusou o golpe”, diz

Bernardo Mello Franco e Frederick Wassef
Bernardo Mello Franco e Frederick Wassef (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Bernardo Mello Franco destaca que se “até outro dia, a família Bolsonaro se preocupava em esconder Fabrício Queiroz. Agora também precisa sumir com Frederick Wassef, o advogado que albergava o ex-PM em Atibaia”.

Mello Franco observa que Wassef “virou porta-voz do presidente para rolos diversos, da facada na campanha à rachadinha na Alerj. De tanto vender proteção ao clã, ganhou o apelido de Anjo” e que “na quinta passada, o advogado desfilava entre autoridades no salão nobre do Planalto. Na manhã seguinte, acordou com a notícia da captura de Queiroz. Wassef falou muito, mas não conseguiu explicar o inexplicável”.

“De tudo o que Wassef falou, só uma declaração importa de fato. “Se bater no Fred, atinge o presidente. Eu e o presidente viramos uma pessoa só”, afirmou. A família acusou o golpe”, destaca. 

“No domingo, o UOL revelou que uma empresa de Cristina Boner, sócia e ex-mulher do advogado, recebeu R$ 41,6 milhões do governo Bolsonaro. A senhora já foi condenada por improbidade administrativa no escândalo do mensalão do DEM. Agora ela e o Anjo representam mais uma ameaça ao mandato do capitão”, afirma. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247