Merval: 'abraço em Toffoli é movimento de Bolsonaro para afastar risco de impeachment'

Jornalista Merval Pereira avalia que, ao abraçar o ministro do STF Dias Toffoli, Jair Bolsonaro tenta afastar o clima de guerra no governo, pois "entendeu que por esse caminho ia acabar sofrendo impeachment, porque não há possibilidade de governar em guerra com o Congresso e o STF"

Merval Pereira e Bolsonaro abraçando Dias Toffoli
Merval Pereira e Bolsonaro abraçando Dias Toffoli (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Bolsonaro tenta separar o corpo da alma, pelo menos finge querer", escreve Merval Pereira em sua coluna publicada no jornal O Globo, ao repercutir o abraço de Jair Bolsonaro no ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli. "De um lado, entendeu que precisa de acordos políticos e aproximações com o Congresso e o STF; e de outro, enfrenta os radicais que querem afrontar o Congresso e o STF, na batida do início do governo, o que não é possível numa democracia", acrescentou.  

De acordo com o jornalista, "Bolsonaro entendeu que por esse caminho ia acabar sofrendo impeachment, porque não há possibilidade de governar em guerra com o Congresso e o STF". "E a guerra com os dois outros poderes pressupõe uma visão democrática deformada. Os três poderes são equivalentes, e é preciso obter uma posição majoritária através de negociações", disse. 

"O abraço fraternal dado em Bolsonaro não seria mais apertado em Lula, antigo mentor de Toffoli que, cedo, descobriu que tem mais anos pela frente de Supremo do que Lula de expectativa de poder", complementou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247