Merval quer abrir o País às empreiteiras internacionais

Sugestão do colunista para a "situação atual", de investigações de propina e suborno entre empreiteiras e a Petrobras, "é a abertura do mercado a empresas estrangeiras, o que é proibido por lei no Brasil"; ele diz que ideia "nunca prosperou devido a um forte lobby das empreiteiras"

Sugestão do colunista para a "situação atual", de investigações de propina e suborno entre empreiteiras e a Petrobras, "é a abertura do mercado a empresas estrangeiras, o que é proibido por lei no Brasil"; ele diz que ideia "nunca prosperou devido a um forte lobby das empreiteiras"
Sugestão do colunista para a "situação atual", de investigações de propina e suborno entre empreiteiras e a Petrobras, "é a abertura do mercado a empresas estrangeiras, o que é proibido por lei no Brasil"; ele diz que ideia "nunca prosperou devido a um forte lobby das empreiteiras" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em coluna nesta sexta-feira 21 no jornal O Globo, Merval Pereira sugere que o Brasil se abra às empreiteiras internacionais como sugestão à "situação atual", em referência às investigações da Operação Lava Jato, que apura esquema de pagamento de propina por empresas a funcionários da Petrobras.

"Uma solução, que nunca prosperou devido a um forte lobby das empreiteiras, mas que poderia ser uma solução na situação atual, é a abertura do mercado a empresas estrangeiras, o que é proibido por lei no Brasil", escreve o colunista.

"As principais empreiteiras brasileiras têm obras em várias partes do mundo, mas têm garantia de mercado interno, fechado para as grandes empresas internacionais de engenharia de construção civil e obras de infraestrutura. O Brasil não permite a entrada, em seu mercado doméstico, de construtoras americanas, alemãs, francesas, japonesas, italianas, portuguesas", acrescenta.

Leia aqui seu artigo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247