Merval também defende delações sem sigilo

"Dentro do Ministério Público tem um grupo que acha que, liberando [o conteúdo das delações], fica reduzida a possibilidade de pressão política para que as investigações não andem", afirma o colunista; ele prevê que "os depoimentos provavelmente vão começar a vazar de todos os lados"

"Dentro do Ministério Público tem um grupo que acha que, liberando [o conteúdo das delações], fica reduzida a possibilidade de pressão política para que as investigações não andem", afirma o colunista; ele prevê que "os depoimentos provavelmente vão começar a vazar de todos os lados"
"Dentro do Ministério Público tem um grupo que acha que, liberando [o conteúdo das delações], fica reduzida a possibilidade de pressão política para que as investigações não andem", afirma o colunista; ele prevê que "os depoimentos provavelmente vão começar a vazar de todos os lados" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O colunista do Globo Merval Pereira é mais um que defende a liberação do conteúdo das delações dos 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht, homologadas nesta segunda-feira 30 pela presidente do STF, Cármen Lúcia, mas ainda mantidas em sigilo.

"Dentro do Ministério Público tem um grupo que acha que, liberando, fica reduzida a possibilidade de pressão política para que as investigações não andem", comentou o jornalista na rádio CBN. Ele prevê que "os depoimentos provavelmente vão começar a vazar de todos os lados".

Merval lembra a pressão que já ocorre para que os sigilos sejam levantados. O presidente da OAB, Carlos Lamachia, foi um dos que defendeu as delações sem sigilo. O substituto do ministro Teori Zavascki na relatoria da Lava Jato no STF, que pode ser indicado - ou sorteado - na quarta-feira, quando voltam os trabalhos do Judiciário, terá a possibilidade de liberar.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247