Míriam Leitão diz que Bolsonaro realiza 'gestão criminosa' na pandemia

A jornalista Míriam Leitão escreve em sua coluna no jornal O Globo que a gestão do governo nesta pandemia é criminosa. "O presidente é o responsável por ordens que colocaram a vida de brasileiros em risco nesta pandemia"

Míriam Leirão e Jair Bolsonaro
Míriam Leirão e Jair Bolsonaro (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "O 'Estado de S. Paulo' mostra nesta sexta-feira, na matéria do repórter Mateus Vargas, que desde maio o Centro de Operações de Emergência alertava o Ministério da Saúde sobre a falta de sedativos e anestésicos. Eles são usados na intubação de pacientes. Só mais de um mês depois o governo começou a tomar providências para a compra dos medicamentos", escreve Míriam Leitão. 

Segundo a jornalista, a situação ainda é de desabastecimento. "Nesse período, a gestão do presidente Jair Bolsonaro concentrou sua energia na produção extravagante da cloroquina nos laboratórios do Exército". 

"Hoje sobra cloroquina. Há estados que desejam devolver os comprimidos. Outros recusam. Na foto que o Estadão publica, o presidente Jair Bolsonaro está mostrando a caixa do remédio para uma ema nos jardins do Palácio da Alvorada, uma imagem patética. Ele também conversou com garis sem a máscara, foi um exemplo físico do que ele tem feito com o país na gestão da pandemia. O presidente é o responsável por ordens que colocaram a vida de brasileiros em risco nesta pandemia".

Leia a íntegra

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247