Nassif culpa Barroso pela destruição institucional do Brasil

"Há relação direta entre os procuradores imorais, retratados nos diálogos de hoje da Folha, e o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, que autorizou a censura em uma feira de livros. E ambos têm como inspirador intelectual Luis Roberto Barroso", afirmou o jornalista

Jornalista Luis Nassif
Jornalista Luis Nassif (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil 247)

247 - O jornalista Luis Nassif culpou o ministro do STF Roberto Barroso pela destruição institucional do Brasil. Ele ainda o comparou ao ministro Gilmar Mendes e disse que Gilmar representa a civilização, enquanto Barroso, a barbárie.

"Nesses tempos de sociedade do espetáculo, de avaliações superficiais, de manchetes profundas como mensagens de Twitter, se perguntasse a um leigo quem representava, ali, o Iluminismo e quem era o agente da barbárie, não haveria dúvidas: Barroso era a civilização, Gilmar a barbarie. Engano fatal!", escreveu.

Nassif afirmou que os procuradores "imorais" da Vaza Jato, bem como o presidente do TJ-RJ que censurou os livros com conteúdo LGBT na Bienal do Livro, têm inspiração em Barroso.

"Foi Barroso quem trouxe as ideias de Constituição viva, sujeita às interpretações dos julgadores, que deveriam – subjetivamente – adaptá-la aos novos tempos e atender o clamor das ruas. É o aval ao qual recorreu um desembargador obscurantista para esquecer a Constituição e instituir a censura em uma feira de livros".

E completou. "Esses tempos de barbárie tiveram um ideólogo central: Luis Roberto Barroso". 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247