Nassif: Lava Jato vaza depoimento para atingir advogado de Lula

O jornalista Luis Nassif diz que "em novo vazamento seletivo à imprensa, investigadores da Lava Jato afirmam que o advogado Roberto Teixeira, que defende Lula no caso triplex e outros processos, era o responsável pelo pagamento do aluguel de um apartamento vizinho ao que o ex-presidente habita, em São Bernardo do Campo"; ele pontua que reportagem da Folha desta terça (27), priorizando a versão dos investigadores, insinua que Teixeira, "na prática", não pagava o aluguel porque o dinheiro voltava para ele como "compensação por uma assessoria sobre imóveis que ele prestava"

O jornalista Luis Nassif diz que "em novo vazamento seletivo à imprensa, investigadores da Lava Jato afirmam que o advogado Roberto Teixeira, que defende Lula no caso triplex e outros processos, era o responsável pelo pagamento do aluguel de um apartamento vizinho ao que o ex-presidente habita, em São Bernardo do Campo"; ele pontua que reportagem da Folha desta terça (27), priorizando a versão dos investigadores, insinua que Teixeira, "na prática", não pagava o aluguel porque o dinheiro voltava para ele como "compensação por uma assessoria sobre imóveis que ele prestava"
O jornalista Luis Nassif diz que "em novo vazamento seletivo à imprensa, investigadores da Lava Jato afirmam que o advogado Roberto Teixeira, que defende Lula no caso triplex e outros processos, era o responsável pelo pagamento do aluguel de um apartamento vizinho ao que o ex-presidente habita, em São Bernardo do Campo"; ele pontua que reportagem da Folha desta terça (27), priorizando a versão dos investigadores, insinua que Teixeira, "na prática", não pagava o aluguel porque o dinheiro voltava para ele como "compensação por uma assessoria sobre imóveis que ele prestava" (Foto: Valter Lima)

Luis Nassif - Em novo vazamento seletivo à imprensa, investigadores da Lava Jato afirmam que o advogado Roberto Teixeira, que defende Lula no caso triplex e outros processos, era o responsável pelo pagamento do aluguel de um apartamento vizinho ao que o ex-presidente habita, em São Bernardo do Campo.

Reportagem da Folha de S. Paulo desta terça (27), priorizando a versão dos investigadores, insinua que Teixeira, "na prática", não pagava o aluguel porque o dinheiro voltava para ele como "compensação por uma assessoria sobre imóveis que ele prestava".

O depoimento teria sido dado pelo engenheiro Glauco da Costamarques, dono do imóvel alugado, no papel, para a ex-primeira-dama Marisa Letícia. Glauco é "primo distante" de José Carlos Bumlai e, por isso, a Lava Jato tratou de investigar a relação dele com Lula.

Na visão da força-tarefa, o testemunho de Glauco foi contraditório porque ele afirmou que não tinha controle sobre os pagamentos efetuados por intermédio de Teixeira e, ao mesmo tempo, disse que só comprou o apartamento vizinho de Lula porque costuma investir em imóveis.

Para a Lava Jato, a unidade, na verdade, foi adquirida com valores pagos pela Odebrecht como uma forma velada de beneficiar Lula.

Glauco teria recebido dinheiro da DGA Construtora para comprar o imóvel e, de acordo com os investigadores, a DGA, por sua vez, usou recursos da Odebrecht.

A Lava Jato também diz que investigou as contas bancárias de Lula e não achou rastros de pagamentos do aluguel, embora essa despesa conste na declaração de imposto de renda.

O juiz Sergio Moro aceitou a denúncia da Lava Jato e transformou Lula em réu pela quinta vez só neste ano. Na Lava Jato, é o segundo processo nas mãos do magistrado de Curitiba. Lula responde a outras três ações em Brasília - uma por obstrução de Justiça e duas por tráfico de influência.

De acordo com a Folha, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula e é sócio de Roberto Teixeira, negou que o dinheiro dos aluguéis fosse pago ao compadre de Lula. Segundo Martins, os valores "nunca foram usados para compensação de dívidas da prestação de serviços advocatícios" em favor de Costamarques.

 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247