No Globo, Constantino se diz cansado do Brasil

Colunista Rodrigo Constantino, presidente do Instituto Liberal, aproveita o relato de que está morando na cidade de Weston, na Flórida, onde "as coisas funcionam extremamente bem", para meter o pau no Brasil, "um dos países mais desiguais do mundo" e que tem um "Estado babá"; segundo ele, é preciso "combater o excesso de 'malandragem', o culto do coitadinho, esse ranço marxista que nos assola"; "Por isso digo que o Brasil cansa", conclui

Colunista Rodrigo Constantino, presidente do Instituto Liberal, aproveita o relato de que está morando na cidade de Weston, na Flórida, onde "as coisas funcionam extremamente bem", para meter o pau no Brasil, "um dos países mais desiguais do mundo" e que tem um "Estado babá"; segundo ele, é preciso "combater o excesso de 'malandragem', o culto do coitadinho, esse ranço marxista que nos assola"; "Por isso digo que o Brasil cansa", conclui
Colunista Rodrigo Constantino, presidente do Instituto Liberal, aproveita o relato de que está morando na cidade de Weston, na Flórida, onde "as coisas funcionam extremamente bem", para meter o pau no Brasil, "um dos países mais desiguais do mundo" e que tem um "Estado babá"; segundo ele, é preciso "combater o excesso de 'malandragem', o culto do coitadinho, esse ranço marxista que nos assola"; "Por isso digo que o Brasil cansa", conclui (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em sua coluna nesta terça-feira 12, Rodrigo Constantino se diz cansado do Brasil. Ele aproveita o relato de que está morando na cidade de Weston, na Flórida, onde "as coisas funcionam extremamente bem", para exaltar os Estados Unidos e desferir críticas ao Brasil.

Segundo ele, conseguimos construir por aqui "um dos países mais desiguais do mundo", que tem um "Estado babá". Constantino defende que é preciso "combater o excesso de 'malandragem', o culto do coitadinho, esse ranço marxista que nos assola".

O presidente do Instituto Liberal se vangloria de poder deixar seu carro "na rua" e sua "porta de casa destrancada, ou voltar de um jantar às 23h com o vidro do carro aberto sem preocupação" nos Estados Unidos. Leia aqui a íntegra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247