Novo ministro defende agência para regular mídia

Ministro das Comunicações, André Figueiredo, comentou que as propostas para regulamentar a mídia são sempre vistas como tentativas de "cercear a liberdade de imprensa, interferir em conteúdo" no Brasil; e contestou: "De forma alguma. É dar mais liberdade ao setor. Quando um setor está concentrado em forma de monopólio, a gente não pode dizer que é livre"

Ministro das Comunicações, André Figueiredo, comentou que as propostas para regulamentar a mídia são sempre vistas como tentativas de "cercear a liberdade de imprensa, interferir em conteúdo" no Brasil; e contestou: "De forma alguma. É dar mais liberdade ao setor. Quando um setor está concentrado em forma de monopólio, a gente não pode dizer que é livre"
Ministro das Comunicações, André Figueiredo, comentou que as propostas para regulamentar a mídia são sempre vistas como tentativas de "cercear a liberdade de imprensa, interferir em conteúdo" no Brasil; e contestou: "De forma alguma. É dar mais liberdade ao setor. Quando um setor está concentrado em forma de monopólio, a gente não pode dizer que é livre" (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O novo ministro das Comunicações, André Figueiredo (PDT), defendeu a regulamentação da mídia e a criação de uma agência reguladora para tratar do setor sem que esta seja 100% estatal. "Defendo a autorregulamentação do setor", disse. Ele acrescentou que o papel de coibir abusos por parte da mídia, no entanto, compete ao Poder Judiciário, não ao governo.

As declarações de Figueiredo foram feitas em entrevista à jornalista Catia Seabra, da Folha. Ele também afirmou que, no Brasil, as propostas para regulamentar a mídia são sempre vistas como tentativas de "cercear a liberdade de imprensa, interferir em conteúdo". E comentou: "De forma alguma. É dar mais liberdade ao setor. Quando um setor está concentrado em forma de monopólio, a gente não pode dizer que é livre".

Segundo Figueiredo, a presidente Dilma Rousseff não deu nenhuma orientação específica sobre o assunto, "mas não vamos cometer absurdo sem compartilhar com ela as decisões. Ela quer trazer para si toda a conclusão desse processo. Quanto à regulamentação da mídia, não tivemos orientação nesse sentido. A liberdade de imprensa é uma cláusula pétrea. Não precisamos regular conteúdo. Não cabe ao Ministério das Comunicações, cabe ao Poder Judiciário, regular exageros e desvios", disse.

Leia aqui a íntegra da entrevista.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247