CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mídia

O maior pedido de desculpas da história

Dono de mais de 55 jornais e 40 revistas, magnata Rupert Murdoch manda fazer autocrtica pelos grampos ilegais do finado News of the World; sincero?

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247, com Agência Estado - As edições de todos os jornais do magnata Rupert Murdoch, em todo o mundo, chegaram às bancas neste sábado com um pedido de desculpas. Como ele possui 55 jornais e mais de 40 revistas, somando quase 100 milhões de exemplares a cada dia, este pode ser considerado o maior pedido de desculpas da história da mídia. A primeira página dos veículos traz um anúncio com a frase “We are sorry”, que em português significa “Nós lamentamos”, em letras pretas, com fundo branco. Mais abaixo, um texto menor diz: “O trabalho do News of the World era pedir prestação de contas dos outros. Mas fracassou quando chegou sua vez”. A publicação do pedido de desculpas foi anunciada antecipadamente pelo grupo News International, do magnata australiano, nesta sexta-feira, 15.

Les Hinton, um dos executivos mais importantes da News Corp., empresa do magnata Rupert Murdoch, pediu demissão ontem. Ele era diretor da News International, braço britânico do grupo, na época do escândalo das escutas telefônicas do tabloide News of the World. Atualmente, Hinton era diretor da Dow Jones, que publica o jornal Wall Street Journal.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Foi a segunda demissão em menos 24 horas de executivos ligados a Murdoch. Pouco antes, a ex-editora-chefe do News of the World, Rebekah Brooks, também deixou o cargo de CEO da News International.

As saídas de dois dos jornalistas responsáveis pelo tabloide britânico foram anunciadas no mesmo dia em que o magnata australiano divulgou um pedido de desculpas às famílias grampeadas, que seria publicado nos principais jornais da Grã-Bretanha neste fim de semana.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ele foi a primeira vítima causada pelo escândalo dos grampos na parte americana do conglomerado, que pode sofrer ainda novas baixas. Na quinta-feira, o FBI anunciou que começou a investigar supostas escutas ilegais a parentes das vítimas dos ataques de 11 de setembro de 2001 (mais informações nesta página).

Pressão saudita

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A demissão de Rebekah ocorreu poucas horas depois de a BBC exibir uma entrevista com o segundo maior investidor do grupo de Murdoch, o bilionário príncipe saudita Al-Waleed bin Talal al-Saud, que pediu a cabeça da jornalista.

O príncipe disse que Rebekah deveria deixar o cargo se achasse que sua conduta na chefia do News of the World foi inadequada. “Para mim, ética é muito importante, não vou lidar com uma mulher sobre a qual exista dúvida a respeito de sua integridade” afirmou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ela era responsável pelo tabloide durante a cobertura do caso da adolescente Milly Dowler, de 13 anos, assassinada em 2002. A jovem teve a caixa postal de seu celular grampeada e os recados foram apagados, dando esperanças à família e à polícia de que ela ainda estivesse viva e monitorando suas mensagens.

As edições dos jornais de Murdoch chegaram às bancas neste sábado com um pedido de desculpas. A primeira página dos veículos traz um anúncio com a frase “We are sorry”, que em português significa “Nós lamentamos”, em letras pretas, com fundo branco. Mais abaixo, um texto menor diz: “O trabalho do News of the World era pedir prestação de contas dos outros. Mas fracassou quando chegou sua vez”. A publicação do pedido de desculpas foi anunciada antecipadamente pelo grupo News International, do magnata australiano, nesta sexta-feira, 15.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Carregando...

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO