Paola Carosella: morte de um jovem negro gera menos revolta que a de um cachorro

A chef Paola Carosella condenou a indignação seletiva da sociedade perante o extermínio da juventude negra e periférica; nesta madrugada, o jovem Pedro Gonzaga, de 19 anos, foi assassinado no supermercado Extra, após receber um golpe de mata-leão de um segurança; "A morte de um jovem negro em mãos de um segurança gera infinitamente menos indignação que a morte de um cachorro em mãos de um segurança"; a deputada Erika Kokay, a atriz Leandra Leal e o líder do MTST, Guilherme Boulos, também condenaram o assassinato

Paola Carosella: morte de um jovem negro gera menos revolta que a de um cachorro
Paola Carosella: morte de um jovem negro gera menos revolta que a de um cachorro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A chefe de cozinha e apresentadora de TV Paola Carosella usou sua conta no Twitter para questionar a indignação seletiva da sociedade quando se trata da morte de jovens negros e periféricos. Pedro Gonzaga, de 19 anos, foi assassinado na madrugada desta sexta-feira (15), no supermercado Extra, após ser atingido por um golpe de mata-leão por um segurança do local.

"A morte de um jovem negro em mãos de um segurança gera infinitamente menos indignação revolta e raiva que a morte de um cachorro em mãos de um segurança.... #acarnemAisbaratadomercado", disse Carosella, referindo-se ao cachorro que foi morto por um segurança no supermercado Carrefour, no mês de dezembro, e que desencadeou uma onda de comoção nacional.

 
 

Além de Carosella, outras figuras públicas também condenaram o assassinato do jovem. A deputada federal Érika Kokay classificou como covarde o ato: "Exigimos apuração e punição do ato de covardia contra jovem de 19 anos no hipermercado Extra, na Barra da Tijuca-RJ. O jovem foi assassinado após ser imobilizado em um "mata-leão". As imagens que circulam pela internet são chocantes. Vidas negras importam!".

 
 

A atriz Leandra Leal também deixou claro em sua postagem que a morte do jovem não foi um acidente: "Legítima defesa? Durante todo o vídeo o jovem está imobilizado, outras pessoas pedem para o segurança parar, alertam que ele está ficando roxo... que conduta é essa permitida pelo hipermercado Extra?", questionou Leandra, referindo-se ao fato do segurança ter alegado legítima defesa ao assassinar o jovem.

 

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, também expôs o absurdo da situação. "Cena indignante, prova de que o "guarda da esquina" está solto. O mercado Extra e o segurança têm que ser imediatamente responsabilizados por esse homicídio. Basta de indignação seletiva!", disse. 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247