Pelos royalties, Merval volta a ser "jurista"

Depois de pautar o julgamento da Ação Penal 470, o colunista do Globo, Merval Pereira, agora fornece novos argumentos ao Supremo Tribunal Federal para atropelar o Congresso Nacional e invalidar a decisão sobre a divisão dos recursos do petróleo

Pelos royalties, Merval volta a ser "jurista"
Pelos royalties, Merval volta a ser "jurista"
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Merval Pereira, do Globo, ainda leva uma cadeira no Supremo Tribunal Federal. Depois de pautar o julgamento da Ação Penal 470, o colunista do Globo, Merval Pereira, agora fornece novos argumentos ao Supremo Tribunal Federal para atropelar o Congresso Nacional e invalidar a decisão sobre a divisão dos recursos do petróleo. Leia abaixo:

Constitucionalismo democrático - MERVAL PEREIRA

Há duas questões distintas na disputa pelos royalties do petróleo: os contratos já em vigor, inclusive alguns na área do pré-sal, e os que serão assinados para a frente, em novas licitações. Os estados não produtores trataram os dois casos da mesma forma, refazendo uma divisão que não respeita o caráter compensatório dado aos royalties pela Constituição de 1988.

Para o constitucionalista Gustavo Binenbojm, em relação aos contratos pretéritos, celebrados no passado e em curso, é bem provável que, por força de urna vinculação de receitas, de planejamento financeiro orçamentário dos estados e municípios produtores, e do comprometimento de longo prazo, o Supremo Tribunal Federal, onde a questão está sendo julgada, aplique regras de segurança jurídica e proteção de confiança que promovam um congelamento desse regime até o encerramento desses contratos.

Para ele, a sinalização da Ministra Cármen Lúcia na liminar que concedeu parece ser a de que a redistribuição de valores entre os estados não pode ser aleatória, dado o caráter compensatório que a Constituição deu aos royalties e participações especiais. O Contexto em que a questão foi colocada, no entanto, é mais complexo que isso, ressalta Binenbojm.

"Esses contratos, por gerarem receitas que o STF já disse que são originárias de estados e municípios, e não meras transferências voluntárias da União, estão inseridos numa progressão de tempo que leva os estados e municípios a considerá-los no médio e longo prazo, até porque esses foram colocados na equação do refinanciamento das dívidas aceita pela União."

Para o advogado, trata-se da segurança jurídica e da aplicação de um princípio que normalmente é utilizado para proteger o particular de modificações abruptas feitas pelo listado. "Nesse caso, a proteção dos interesses das populações de estados e municípios que se comprometeram em projetos de médio e longo prazo".

Como a lei não contemplou um regime justo de transição, um período de preparação de cada estado e município para migrar para uma nova realidade orçamentária. Binenbojm considera que "há uma violação da regra constitucional de segurança jurídica do principio da confiança legítima"

Em relação aos contratos para a frente, a discussão é sobre o fato de a Constituição dar aos royalties e às participações especiais do setor caráter de compensação, muito enfatizado na liminar da Ministra Cármen Lúcia.

"Isso exige que haja uma diferenciação entre estados produtores e os demais no momento da partilha por força da questão ambiental, da pressão por serviços públicos, já que há uma corrida de população para essas áreas produtoras" ressalta Binenbojm.

O constitucionalista Luís Roberto Barroso, autor da ação ajuizada no STF pelo Estado do Rio, considera que estamos "num ponto crucial do arranjo institucional brasileiro conhecido como constitucionalismo democrático"

Ele lembra que "constitucionalismo" e "democracia" são conceitos que não se confundem. Democracia significa soberania popular, governo da maioria.

Constitucionalismo significa respeito às regras do jogo (Estado de direito) e aos direitos fundamentais.

Isso significa dizer, acentua Barroso, que as maiorias devem governar "e que elas podem muito, mas não podem tudo" Para o constitucionalista, as maiorias "devem ceder diante dos limites impostos pela Constituição, que é, precisamente, o documento que contém as regras do jogo e define os direitos fundamentais. Inclusive os dos estados entre si"

Quando a maioria se excede, compete ao STF impor os limites, e, para Barroso, foi isso que o STF fez - "e, possivelmente, fará de novo"- no caso de uma emenda constitucional com o mesmo propósito da "malfadada lei que redistribuía os royalties"

O advogado faz questão de frisar que "todos nós" somos solidários com a difícil situação financeira e orçamentária dos estados em geral. No seu entender, a Federação brasileira precisa ser repensada amplamente, inclusive sob o aspecto dos recursos que são arrecadados por cada estado, "claramente insuficientes para as obrigações que a própria Constituição confiou a eles. A centralização excessiva continua a ser uma disfunção brasileira"

Porém, ressalta Barroso, "a busca por recursos e a necessidade de repensar a Federação não autorizam a atitude inconstitucional de retirar à força receitas que sempre pertenceram aos estados produtores. Pelas mesmas razões que a aflição financeira não legitima o furto ou o estelionato".


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email