PML: queixas da oposição não batem manchetômetro

A oposição começa a dizer-se preocupada com a agressividade da campanha eleitoral do PT, "mas também é certo que, de janeiro para cá, o governo Dilma se encontra sob ataque permanente", escreve Paulo Moreira Leite, em novo artigo no 247; ele recorda os números do manchetômetro, pesquisa da UERJ sobre os principais jornais do País; "O saldo é o seguinte: para cada notícia positiva, Dilma encara 25 notícias negativas"; sobre a cobertura de economia, o contraste é de 400 contra 10; e questiona: "Agressividade, desigualdade? Não. 400 a 10. 25 contra 1. Esta é a disputa"

A oposição começa a dizer-se preocupada com a agressividade da campanha eleitoral do PT, "mas também é certo que, de janeiro para cá, o governo Dilma se encontra sob ataque permanente", escreve Paulo Moreira Leite, em novo artigo no 247; ele recorda os números do manchetômetro, pesquisa da UERJ sobre os principais jornais do País; "O saldo é o seguinte: para cada notícia positiva, Dilma encara 25 notícias negativas"; sobre a cobertura de economia, o contraste é de 400 contra 10; e questiona: "Agressividade, desigualdade? Não. 400 a 10. 25 contra 1. Esta é a disputa"
A oposição começa a dizer-se preocupada com a agressividade da campanha eleitoral do PT, "mas também é certo que, de janeiro para cá, o governo Dilma se encontra sob ataque permanente", escreve Paulo Moreira Leite, em novo artigo no 247; ele recorda os números do manchetômetro, pesquisa da UERJ sobre os principais jornais do País; "O saldo é o seguinte: para cada notícia positiva, Dilma encara 25 notícias negativas"; sobre a cobertura de economia, o contraste é de 400 contra 10; e questiona: "Agressividade, desigualdade? Não. 400 a 10. 25 contra 1. Esta é a disputa" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em novo artigo no blog do 247, o jornalista Paulo Moreira Leite avalia que a oposição, receosa do crescimento da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas eleitorais, tem feito críticas à agressividade da campanha do PT contra Marina Silva. Em um vídeo, o comercial do partido diz que a candidata do PSB vai dar aos bancos poder de presidente. Em outro, que a adversária vai tirar R$ 1,3 bilhão da educação se não continuar a investir no pré-sal.

O jornalista coloca, porém, que se tem alguém com direito de reclamar, é o governo, alvo de "ataque permanente" desde janeiro até aqui. "Nos meses que antecederam o início oficial da campanha, quando o eleitorado começava a prestar atenção nos possíveis candidatos, a presidente apanhou porque a inflação iria explodir, o que não aconteceu. Apanhou porque não ia ter Copa, mas teve. Ontem, o governo divulgou que foram criados 109 000 empregos com carteira assinada em agosto de 2014 (...). Afirmou-se que a criação de empregos recuou 20%", exemplifica PML.

"Se alguém pode queixar-se de agressividade, tratamento desigual, de massacre, é o governo", ressalta Paulo Moreira Leite. Ele recorda os números do manchetômetro, pesquisa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro sobre os principais jornais do País. "O saldo é o seguinte: para cada notícia positiva, Dilma encara 25 notícias negativas", escreve. Sobre a cobertura de economia, o contraste é de 400 contra 10 (relembre aqui). "Agressividade, desigualdade? Não. 400 a 10. 25 contra 1. Esta é a disputa".

Leia aqui a íntegra do texto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email