Por não se assumir candidato, Huck está imune na Justiça Eleitoral?

Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, destaca a 'hipocrisia da Justiça Eleitoral": "Está processando Lula (e também Bolsonaro) por realizarem atos públicos que seriam, na interpretação autoritária que se faz da legislação, 'propaganda antecipada' para as eleições. Mas o sr. Luciano Huck aparece, todos os sábados, em rede nacional de televisão, pela Globo, oferecendo carros, casas e dinheiro vivo para a marca de produtos de limpeza que o patrocina"

Luciano Huck
Luciano Huck (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Situação curiosa para a nossa hipócrita Justiça Eleitoral.

Está processando Lula (e também Bolsonaro) por realizarem atos públicos que seriam, na interpretação autoritária que se faz da legislação, “propaganda antecipada” para as eleições.

Mas o sr. Luciano Huck aparece, todos os sábados, em rede nacional de televisão, pela Globo, oferecendo carros, casas e dinheiro vivo para a marca de produtos de limpeza que o patrocina.

Por não se assumir candidato está imune aos controles que aos outros se quer impor?

Tecnicamente, Huck, Lula e Bolsonaro estão na mesma situação, porque os dois últimos também não são candidatos, pois não foram escolhidos em convenções partidárias e, aliás, os dois últimos só entrarão em partidos quando os seus atuais “donos” derem todas as garantias de que a convenção será um rito burocrático de homologação do que eles próprios já decidiram e negociaram – dê à palavra negociação a extensão que quiser.

Huck, porém, é o único que pode oferecer casa, carros e felicidade na televisão, e recebendo por isso.

E isso é tolerado pela Justiça Eleitoral, pasme, até a convenção, isto é, até o final de julho, 60 dias antes do primeiro turno eleitoral.

Se é difícil caracterizar ilegalidade, pois ele não é candidato, formalmente, será um contrassenso multar os outros por suas aparições públicas, gratuitas e sem patrocinador.

E, no caso dele, é francamente imoral que articule uma candidatura nestas circunstâncias, oferecendo-se para ser o sabão da nação.

A Justiça Eleitoral, diante disso, não tem autoridade moral para punir ninguém por promover candidaturas, se um dos candidatos aparece em grande promoção, com prêmios de montão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247