Qual é a do Leão?

O novo sistema da Apple traz comodidade ao usuário. Precisa de um novo programa? Há uma loja de aplicativos, pagos e gratuitos, totalmente livres de ameaças ou vírus

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em outubro do ano passado a Apple promoveu um evento em seu campus em Cupertino. No evento, a empresa demonstrou a um seleto grupo de jornalistas a próxima versão de seu sistema operacional, Mac OS X Lion, responsável por alimentar grandes sucessos da companhia, como MacBook e iMac.

Na ocasião, Steve Jobs afirmou que os dois maiores bestsellers da Apple, o iPhone e o iPad, haviam nascido a partir de muitas das tecnologias absorvidas do Mac OS X e então aperfeiçoadas no decorrer dos anos. Lion seria, nas palavras de Jobs, o retorno ao Mac das inovações que nasceram durante o desenvolvimento do iOS, o sistema operacional do iPhone e iPad.

Essa semana, após 9 meses, a Apple enfim coloca a disposição de seus usuários finais a nova versão do Mac OS X.

Baseado na proposta de trazer muitas das comodidades do iPad ao Mac, Lion tem tido boa recepção inicial da imprensa especializada e público. O que talvez passe despercebido para essa audiência seja o peso que esse sistema operacional terá no futuro dos notebooks e desktops que todos nós usamos diariamente.

Quando foi a última vez que você se preocupou em salvar um documento no seu smartphone antes de desliga-lo? Talvez você não se lembre, muito provavelmente por nunca ter precisado fazer, o smartphone por si só já cuida disso. Pois é exatamente a partir de pequenos detalhes como esse que Lion promete mudar muitas das bases da computação atual.

O sistema chega já propondo uma mudança radical em uma das funcionalidades mais executadas pelos usuários, o rolamento das páginas e conteúdos. Se você já usou um iPhone, iPad ou smartphone com Android provavelmente percebeu que, enquanto navega em um site, seus dedos literalmente empurram o conteúdo para cima e mais baixo. Deseja rolar a página para cima? Simples, deslize o seu dedo para baixo, puxando o conteúdo. Você já se deu conta de que nos últimos anos você deslizava a barra de rolagem e não o conteúdo propriamente dito?

Outra mudança herdada diretamente dos smartphones: deseja ver um site ou foto em maior tamanho? Basta colocar dois dedos sobre o trackpad do notebook e abri-los, como se estivesse esticando o conteúdo. Afinal, não é exatamente assim que os objetos se comportam no mundo real? Levar movimentos naturais e intuitivos para o mundo do PC. Nenhum outro sistema operacional havia tomado essa abordagem até então.

O novo sistema também traz diversas comodidades ao usuário. Precisa de um novo programa? Há uma loja de aplicativos, pagos e gratuitos, totalmente livres de ameaças ou vírus, a um clique de distância. Esqueceu de salvar aquele documento importante antes de desligar o computador? Sem problemas, Lion salvou, e se lembrará de como você deixou sua área de trabalho, com todos os sites e programas abertos, na próxima vez que você liga-lo novamente. Modificou aquele relatório importante e só depois se deu conta de que acabou por apagar um trecho que não devia? Lion se lembra de como seu documento estava a 5 minutos atrás ou 1 semana atrás. Como em um filme de ficção, basta voltar no tempo e recuperar o trecho que foi apagado acidentalmente.

Talvez de todas as mudanças que a Apple empregou na nova versão de seu sistema operacional, a mais tímida, e ao mesmo tempo, promissora, seja a interface.

Aplicativos de calendário, navegador, leitura de e-mails, agenda de contatos e visualização de fotos tiveram suas interfaces radicalmente modificadas, ganhando um aspecto muito similar aos famosos apps do iPad. Como você imagina que seja a agenda de contatos do Lion? Pois é, se parece com uma agenda de papel, de verdade. O app tem até aquela clássica fitinha vermelha que usamos para não perdermos a página em que estávamos.

Por mais que essa mudança aparente ser apenas estética, ela abrange todo um campo de usabilidade. Antes você via suas fotos usando as teclas de setas do teclado? Que tal simplesmente deslizar suas fotos com os dedos, como se estivessem empilhadas umas sobre as outras?

Mac OS X Lion aponta o caminho que a empresa de Cupertino tende a dar ao seu software: mais simples, mais realista, mais elegante, mais intuitivo.

Resta saber se os usuários concordam com ela. Recentemente a Apple lançou a nova versão de seu editor profissional de vídeos, Final Cut Pro X. O software segue as mesmas linhas implantadas no Lion, com uma interface minimalista e simplificada. Isso fez com que uma legião de profissionais de edição se revoltasse nos fóruns de discussão da empresa na internet, apontando o software como simples demais para usos com finalidades profissionais.

Lion ainda precisa provar ao mundo que o usuário final, que não acompanha o mundo de tecnologia de perto, está pronto para mudar a maneira como se navega por sites, salva arquivos ou edita vídeos. Mas tudo indica que a Apple está no caminho certo. No começo desse ano a HP, a maior fabricante de computadores do mundo, anunciou que a partir de 2012 seus notebooks e desktops rodarão WebOS, o sistema operacional presente nos smartphones e tablets vendidos pela companhia.

Poucas semanas depois do anúncio do HP, foi a vez da líder do mercado de sistemas operacionais, a gigante Microsoft, dar o ar de sua graça. Em uma breve demonstração a empresa de Bill Gates e Steve Ballmer mostrou o futuro de seu sistema operacional, o Windows 8. Com uma interface repleta de ícones deslizantes e interativos, programas com cara de apps, e uma interface toda repensada para telas touchscreen, a Microsoft deixou clara sua inspiração no sistema operacional de smartphones da companhia, o Windows Phone 7. A nova versão do Windows chega ao mercado em 2012.

Com os tradicionais PCs ficando cada vez mais parecidos com os nossos smartphones, fica a questão: até que ponto poderemos dizer que os softwares dessas duas categorias são diferentes? Até que ponto um MacBook pode copiar conceitos do iPad, sem se tornar um iPad? Lion não trás as respostas para essas perguntas. Pelo contrário, é ele quem nos faz questionar.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email