Qual é o papel da mídia na formação de uma bolha?

Não houve revista semanal no Brasil que não tenha dedicado reportagem de capa ao empresário Eike Batista e quase todas foram laudatórias; numa delas, de Veja, ele foi saudado até como Eike Xiaoping, como se estivesse ensinando ao Brasil que "enriquecer é glorioso"; nos próximos dias, grandes bancos privados, o BNDES e o governo estarão tendo que lidar com a provável reestruturação das dívidas bilionárias do grupo EBX; quem acreditou na onda, hoje conta os prejuízos

Qual é o papel da mídia na formação de uma bolha?
Qual é o papel da mídia na formação de uma bolha?

247 - Nunca houve, na história do Brasil, um empresário como Eike Batista. Vendedor de projetos, e não de empresas com resultados concretos, ele conseguiu a façanha de se tornar o oitavo homem mais rico do mundo (hoje não figura nem mais entre os 100 primeiros) prometendo quase o equivalente a terrenos na lua. Bancos de investimento empacotaram seus projetos e Eike foi uma das figuras mais midiáticas já vistas no mundo empresarial, em todos os tempos. Onde houvesse um holofote, lá estava ele. Se Madonna viesse ao Brasil pedir apoio a uma ONG, Eike apareceria com um cheque milionário para ganhar também seus 15 segundos adicionais de fama.

Durante um bom tempo, Eike acreditou que conseguiria administrar expectativas do mercado financeiro no gogó – ou, quem sabe, pilotando sua conta no Twitter, onde, sempre, em tom otimista, vendia promessas jamais concretizadas a incautos seguidores. Ele, no entanto, não teria ido tão longe se não tivesse construído, também, uma poderosa aliança com jornalistas e meios de comunicação. Na imprensa, seus dois principais aliados nessa onda de fanfarronice foram Ancelmo Gois, do Globo, e Lauro Jardim, de Veja. Ancelmo sempre o chamava de "Eike sempre ele Batista", como se o empresário fosse uma máquina de produção de ideias geniais. Lauro, por sua vez, antecipava em seu Radar Online os movimentos do grupo EBX, que sempre impactavam, também, o mercado financeiro e as cotações de seus papeis em bolsa.

Sempre disponível a conceder entrevistas, o empresário foi capa de praticamente todas as revistas semanais, indo de Veja, onde era chamado de "Eike Xiaoping", a Carta Capital, em que condenava a pouca disposição dos empresários ao risco. E da mesma maneira que transitava na mídia, Eike também circulava com desenvoltura no meio político. Não apenas no governo federal, que lhe abriu as portas do BNDES, mas nos governos de estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Amapá e Maranhão, onde seus projetos tinham algum impacto.

O sonho de Eike, no entanto, chegou ao fim. Com uma dívida de mais de R$ 20 bilhões, concentrada sobretudo no BNDES, ele começará, nos próximos dias a reestruturar seus pagamentos. O aviso do "pré-calote" já foi dado na última sexta-feira, por meio de seu porta-voz extraoficial Lauro Jardim, que avisou que os bancões amargarão parte do prejuízo. 

Serão perdas significativas, mas, talvez, não tão grandes quanto a de investidores que acreditaram na imagem de empresário infalível construída por Eike e diversos veículos de comunicação. As ações da OGX, sua empresa de petróleo, já caíram 88% em um ano. Papéis do porto LLX, do estaleiro OSX e da mineradora MMX também viraram pó. E se "Eike sempre ele Batista" foi capaz de vender ilusões, isso só foi possível porque contou com o empurrão de uma imprensa amiga e, muitas vezes, acrítica.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247