Quem for eleito tomará posse e Bolsonaro não pode sair impune, diz Estadão, em editorial

Ligado ao sistema financeiro, o jornal Estado de S. Paulo defende a posse do ex-presidente Lula, caso ele vença as eleições, e lista os crimes de Bolsonaro

www.brasil247.com - Lula e Bolsonaro
Lula e Bolsonaro (Foto: Divulgação)


247 – O jornal Estado de S. Paulo, ligado ao sistema financeiro nacional, defendeu, em editorial publicado nesta sexta-feira, que o vencedor nas eleições de 2022 tenha a sua posse garantida, a despeito das ameaças golpistas de Jair Bolsonaro.  "Perante a campanha golpista de Jair Bolsonaro contra as urnas eletrônicas e a Justiça Eleitoral, é muito oportuno que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, recorde a realidade. 'No dia 1.º de janeiro, aqui estaremos, no Congresso Nacional, a dar posse ao presidente da República eleito pelas urnas eletrônicas do nosso país, seja qual for o eleito', disse o senador na abertura dos trabalhos legislativos no segundo semestre", escreve o editorialista.

"É desalentador que as circunstâncias políticas atuais exijam dizer um aspecto óbvio do regime democrático – quem vencer nas urnas tomará posse –, mas o fato é que, perante a insistência do presidente da República em desacreditar o sistema eleitoral, é necessário que o País tenha a tranquilidade de saber que o resultado das eleições será respeitado. O presidente do Senado faz muito bem em transmitir essa segurança à população", acrescenta.

De acordo com todas as pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o grande favorito e pode vencer em primeiro turno. No editorial, o jornal lista todos os crimes cometidos por Bolsonaro. "As ações de Jair Bolsonaro contra a Justiça Eleitoral são gravíssimas, podendo ser enquadradas como crimes de responsabilidade e crimes eleitorais. Para piorar, em sua campanha contra a realização pacífica das eleições, o presidente da República tenta envolver o bom nome das Forças Armadas. A Lei 1.079/50 lista, entre os crimes de responsabilidade contra os direitos políticos (art. 7.º), 'utilizar o poder federal para impedir a livre execução da lei eleitoral' (inciso 4), 'incitar militares à desobediência à lei ou infração à disciplina' (inciso 7) e 'provocar animosidade entre as classes armadas ou contra elas, ou delas contra as instituições civis' (inciso 8)", escreve o editorialista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Eis o panorama atual. Não há como reduzir a gravidade de tudo o que Jair Bolsonaro vem fazendo contra as eleições, assim como não há como ele ficar impune depois de tudo o que já fez. Ao mesmo tempo, sem nenhuma transigência e sem deixar de estar alerta, é preciso reafirmar que as eleições ocorrerão pacificamente e que o eleito tomará posse. O clima de tensão só interessa aos bolsonaristas", finaliza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email