Reinaldo após nova Vaza Jato: A Lava Jato é um Estado policial

"A Lava Jato tem de ser oficializada como Estado policial. Fará o que bem entender com os dados sigilosos de qualquer brasileiro, a depender de suas conveniências", critica o jornalista Reinaldo Azevedo após as novas revelações do Intercept Brasil

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Reinaldo Azevedo criticou a Lava Jato após as novas revelações do Intercept Brasil apontarem que membros da operação acessavam dados sigilosos da Receita Federal sem autorização judicial. Segundo o colunista do Uol, "a Lava Jato tem de ser oficializada como Estado policial. Fará o que bem entender com os dados sigilosos de qualquer brasileiro, a depender de suas conveniências".

"A Lava Jato e seus defensores querem naturalizar o procedimento. Que fique claro se ainda não ficou: Roberto Leonel, braço de Sergio Moro que ainda comanda o Coaf, acessava, quando na Receita, a pedido da Lava Jato, dados sigilosos da vida fiscal de investigados e potenciais investigados sem autorização judicial. Trata-se, obviamente, de uma ilegalidade", escreveu Azevedo em seu blog.

O jornalista critica o procurador Deltan Dallagnol. "É impressionante a vocação deste rapaz para a burla intelectual. O que a reportagem de Folha e The Intercepet Brasil evidencia é que os acessos se davam ao arrepio da lei, sem a formalidade expressa nos três casos por ele citados", diz. 

"Ora, a reportagem não denuncia que Dallagnol e Roberto Leonel cumpriram os rigores da lei. Ela só existe porque os diálogos indicam que não cumpriram. É espantoso que insista numa explicação que responde àquilo que não está em questão", acrescenta.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247