Sardenberg condena aumento de salário de procuradores

Para o colunista Carlos Alberto Sardenberg, os procuradores federais passam um conselho negativo com o reajuste de 16% incluído no orçamento de 2018 pelo como conselho superior do Ministério Público Federal; "A inflação está rodando na casa dos 3,5% ao ano, e a categoria está entre as mais bem pagas do serviço federal, com salário inicial de R$ 28 mil", avalia

Sardenberg
Sardenberg (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Em sua coluna nesta quinta-feira, Carlos Alberto Sardenberg mostrou contrariedade com o pedido de aumento de salário feito pelos procuradores. O economista afirmou que a categoria passou um exemplo negativo com a proposta de aumento de 16% no orçamento de 2018.

"A inflação está rodando na casa dos 3,5% ao ano, e a categoria está entre as mais bem pagas do serviço federal, com salário inicial de R$ 28 mil.

E pode-se dizer que os procuradores estão desempenhando muito bem seu papel de zelar pelo cumprimento da lei e, especialmente, combater a corrupção. A Lava-Jato é seu melhor exemplo.

Mas muita gente no país, a grande maioria dos brasileiros, está cumprindo muito bem suas obrigações tanto no setor público quanto no privado. A questão não é essa. É de dinheiro e de saber quem paga a conta.

É notória a escassez de recursos da administração federal. Procuradores frequentemente advertem sobre a possibilidade de cortes de verbas prejudicarem o combate à corrupção. E ainda assim aprovam um aumento de despesa pessoal de R$ 116 milhões ao ano? No momento em que o governo está aumentando impostos, ou seja, cobrando contas dos cidadãos? Notem: foi uma decisão unânime dos conselheiros do MPF.

Há outro ponto grave. O orçamento previsto para o órgão é de R$ 3,8 bilhões para 2018. Desse total, nada menos que R$ 3 bilhões vão para pagamento de salários. Sobram apenas R$ 800 milhões para todo o funcionamento da máquina, investigações, processos etc."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247