Singer: Temer confessou ter recebido denúncia sobre Geddel e não fez nada

"Ao reconhecer os fatos com tamanha candura, como se neles nada houvesse de errado, o texto emitido pelo Planalto desconhece o humor da atual opinião pública. Apoiado em Rodrigo Maia e na larga maioria congressual que derrubou Dilma Rousseff, o palácio supõe que novo impeachment seja impraticável. Por isso, cercado pela falsa segurança brasiliense, o bloco no poder perde de vista as mudanças em curso na sociedade e começa a pairar perigosamente no vazio", diz o cientista político e professor da USP André Singer, sobre o modo como o presidente Michel Temer conduziu o escândalo envolvendo seu ex-braço direito político, Geddel Vieira Lima

"Ao reconhecer os fatos com tamanha candura, como se neles nada houvesse de errado, o texto emitido pelo Planalto desconhece o humor da atual opinião pública. Apoiado em Rodrigo Maia e na larga maioria congressual que derrubou Dilma Rousseff, o palácio supõe que novo impeachment seja impraticável. Por isso, cercado pela falsa segurança brasiliense, o bloco no poder perde de vista as mudanças em curso na sociedade e começa a pairar perigosamente no vazio", diz o cientista político e professor da USP André Singer, sobre o modo como o presidente Michel Temer conduziu o escândalo envolvendo seu ex-braço direito político, Geddel Vieira Lima
"Ao reconhecer os fatos com tamanha candura, como se neles nada houvesse de errado, o texto emitido pelo Planalto desconhece o humor da atual opinião pública. Apoiado em Rodrigo Maia e na larga maioria congressual que derrubou Dilma Rousseff, o palácio supõe que novo impeachment seja impraticável. Por isso, cercado pela falsa segurança brasiliense, o bloco no poder perde de vista as mudanças em curso na sociedade e começa a pairar perigosamente no vazio", diz o cientista político e professor da USP André Singer, sobre o modo como o presidente Michel Temer conduziu o escândalo envolvendo seu ex-braço direito político, Geddel Vieira Lima (Foto: Aquiles Lins)

247 - O cientista político e professor da Universidade de São Paulo (USP) André Singer criticou o modo como o presidente Michel Temer conduziu o escândalo envolvendo seu ex-braço direito político, Geddel Vieira Lima, nas denúncias de tráfico de influência e advocacia administrativa feitas pelo também ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. 

"Ao reconhecer os fatos com tamanha candura, como se neles nada houvesse de errado, o texto emitido pelo Planalto desconhece o humor da atual opinião pública. Apoiado em Rodrigo Maia e na larga maioria congressual que derrubou Dilma Rousseff, o palácio supõe que novo impeachment seja impraticável. Por isso, cercado pela falsa segurança brasiliense, o bloco no poder perde de vista as mudanças em curso na sociedade e começa a pairar perigosamente no vazio", afirma Singer. 

Para o cientista político, o fato é que há novos atores e métodos no palco (o Ministério Público, a delação premiada, a internet, para ficar apenas em alguns) e os velhos representantes soam deslocados na cena contemporânea.

"Geddel Vieira Lima, cinco dias antes de renunciar ao posto, declarou: 'Deixar o cargo por isso? Pelo amor de Deus!'. A frase merece ficar para o registro futuro do esquizoide momento nacional pelo qual passamos". 

Leia na íntegra o artigo de André Singer. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247