Tijolaço: Aécio já não vem ao caso

O jornalista Fernando Brito observa que não houve surpresa no fato de Aécio Neves ter sido transformado em réu pelo recebimento de dinheiro da JBS; "Aécio, Temer (esperando janeiro) e outros são fósforos riscados, que bem serviram ao golpe mas já não tem uso e ajudam a alimentar a lenda de que 'a lei é para todos'. Um pouco de 'jeito' e ficará como Eduardo Azeredo, esperando anos e anos que a 'célere' justiça se faça", diz Brito

Senador Aécio Neves fala com jornalistas após reunião do PSDB em Brasília
Senador Aécio Neves fala com jornalistas após reunião do PSDB em Brasília (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Nenhuma surpresa no fato de Aécio Neves ter sido transformado em réu pelo recebimento de dinheiro da JBS.

Aécio, Temer (esperando janeiro) e outros são fósforos riscados, que bem serviram ao golpe mas já não tem uso e ajudam a alimentar a lenda de que “a lei é para todos”.

Um pouco de “jeito” e ficará como Eduardo Azeredo, esperando anos e anos que a “célere” justiça se faça.

Isso, num caso em que há mala, gravação de áudio e de vídeo e não simples “convicção”.

Ainda assim, O Globo, na sua piedosa manchete, diz que “Seis senadores já são réus da Lava-Jato no Supremo” e só no subtítulo menciona que Aécio se juntou a esta lista.

Mas cedo, o inefável Carlos Alberto Sardemberg diz que Aécio “estava evidentemente brincando” quando dise que seu primo Frederico, escalado para apanhador da mala de dinhero, podia ser morto se ameaçasse abrir a boca.

(Aliás, no mesmo jornals da CBN, ele reescreveu o artigo da Lei de Execução Penal dizendo que as visitas a Lula só poderia ser dos filhos e irmãos – parentes de 1° grau, disse ele – e dos advogados, embora a lei fale expressamente em “amigos”)

De toda a forma, nenhum significado tem mais Aécio senão o de representar uma suposta imparcialidade judicial.

Ele já não vem ao caso para a política.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247