Tijolaço: Bolsonaro é a porta do inferno, que temos o dever de trancar com o pé do voto

"Bolsonaro é aceito como candidato a presidente não pelo que é, mas para evitar que outros o sejam", avalia o jornalista Fernando Brito; "Com Fernando Henrique Cardoso é que se solidificou um processo neoliberal no Brasil. O que veio antes, Collor, era só o batedor, aquele elemento que se manda à frente, justamente por ser o descartável. Bolsonaro é a porta do inferno, que temos o dever de trancar com o pé do voto"

Tijolaço: Bolsonaro é a porta do inferno, que temos o dever de trancar com o pé do voto
Tijolaço: Bolsonaro é a porta do inferno, que temos o dever de trancar com o pé do voto
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O "mercado" comemora, com alta na Bolsa e baixa no dólar, a suposta ascensão de Jair Bolsonaro.

Mas, afinal, o que comemoram?

Será que pensam que Bolsonaro é um Donald Trump tupiniquim?

Trump é o que é – e olhem que não anda sendo "grandes coisas "- por que é presidente dos Estados Unidos.

É preciso frisar: E-U-A...

Tem o poder para retaliar qualquer economia do mundo que nãolhe obedeça.

Tem,também, os botões nucleares e que ninguém duvide que aquele outro Kim, o da Coreia, só falou grosso porque tem uns botõezinhos também.

Como os tem o Putin, que adora o jeito tosco de Trump que, com sua arrogância, abre campo para que os interesses russos encontrem espaço na Europa e no mundo árabe, sobretudo.

Bolsonaro, ao contrário, não manda nem no general Mourão, como se viu.

E seu "posto ipiranga" da economia, Paulo Guedes, é o mais sério candidato a Zélia Cardoso que já pude ver todo esta tempo em que acompanho política.

Ninguém do "mercado" acredita no "plano" de zerar o déficit público no primeiro ano de governo. Vai cortar onde R$ 150 bilhões? Vai vender o que, em poucos meses?

Está na cara que seu programa de curto prazo será cortar direitos trabalhistas e previdenciários, bem como os gastos sociais.

Será mesmo que acreditam que o dono da Havan, o dos supermercados do Paraná e até o empresário de bordel paulista, o tal Oscar Maroni são as forças do capital no Brasil?

A Europa, assombrada pelos grupos de extrema-direita vai encher o balão deste senhor? Os vizinhos latinoamericanos, mesmo os mais conservadores, vão estimular um presidente "militar" no Brasil com que finalidade?

Que capital de longo prazo vai procurar um país onde, tudo indica, um governo destrambelhado tem tudo para cair em pouco tempo – e sabe Deus para abrir caminho a quê – e que está arriscado a ter milícias fascista correndo as ruas de bordunas nas mãos?

Ninguém, só mesmo os predadores, dispostos a ter "ganhos de oportunidade" com a entrega do patrimônio nacional na bacia das almas.

Bolsonaro é comemorado por uma única razão: o sonho de extirpar do Brasil não apenas dos governos mas também da política forças políticas desenvolvimentistas e inclusivas.

E não para reestruturar o Estado brasileiro, demolido, em frangalhos, sem forças para tocar qualquer projeto econômico com legitimidade.

Bolsonaro é aceito como candidato a presidente não pelo que é, mas para evitar que outros o sejam.

Com Fernando Henrique Cardoso é que se solidificou um processo neoliberal no Brasil.

O que veio antes, Collor, era só o batedor, aquele elemento que se manda à frente, justamente por ser o descartável.

Bolsonaro é a porta do inferno, que temos o dever de trancar com o pé do voto.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247