Tijolaço: Com pesquisa, Folha mostra que representa uma elite autoritária

"Não é delação premiada, é confissão espontânea. Com a pesquisa Datafolha que publica hoje, mostrando que seus leitores, por 51 a 46 por cento, preferem que o presidente do país, enquanto na população em geral o desejo por votar vence de 85% a 10% é a maior prova de que o jornal fala para uma fração minúscula da população, para uma elite que tem pavor da ideia de que o povo possa decidir seu destino", escreve Fernando Brito, editor do Tijolaço

Folha, Octavio Frias Filho, Otavinho
Folha, Octavio Frias Filho, Otavinho (Foto: Giuliana Miranda)

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

Não é delação premiada, é confissão espontânea.

Com a pesquisa Datafolha que publica hoje, mostrando que seus leitores, por 51 a 46 por cento, preferem que o presidente do país, enquanto na população em geral o desejo por votar vence de 85% a 10% é a maior prova de que o jornal fala para uma fração minúscula da população, para uma elite que tem pavor da ideia de que o povo possa decidir seu destino.

De fato, basta olhar o recorte de renda do público leitor e ver como este resultado foi possível. Basta um sisteminha de equações simples para verificar que a amostra da pesquisa tinha cerca de 80% de entrevistados com renda acima de dez salários mínimos, único segmento em que prevalece ( 65% a 33%) a vontade de que a escolha seja feita pelos deputados e senadores.

Como na população brasileira os que têm essa renda não passam de 4% não é preciso ser estatístico para dizer que a opinião dos leitores da Folha é a opinião de uma nata que não representa sequer de longe a população.

Assim, está explicada a razão de, no editorial que publicou ontem, a Folha ter feito um mise-en-scène pelas diretas que marcam a sua história mas defende as indiretas como “desfecho a ser acatado como legítimo”.

Como dizia em seu slogan publicitário, a Folha é “um jornal de rabo preso com o leitor”. O que, como mostra a pesquisa, que nem sempre vale outra frase, que fica logo abaixo de seu título: “um jornal a serviço do Brasil”.

Talvez o Brasil da elite, não o Brasil do povo.

PS. O Estadão, que não é dado a ir de borzeguins ao leito, parte logo para a ignorância, como editorial “O absurdo das eleições diretas”. A imprensa brasileira vive no tempo do império.

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Mídia

Carluxo admite que tuita no lugar do pai

Carlos Bolsonaro admitiu nesta quinta o que muitos já desconfiavam: ele faz postagens em nome de seu pai. Em postagem, Carlos confessou: "Eu escrevi o tweet sobre segunda instância sem autorização...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247