Tijolaço: Janio fez necrológio político de Aécio

Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço diz que que o colunista Janio de Freitas, da Folha, faz o necrológio de Aécio Neves, o recém falecido e nada pranteado morto da política brasileira; "Aécio é apenas mais uma prova do cinismo das elites brasileiras que, como recorda nosso mestre Janio, o apresentaram como um projeto para o Brasil", diz Brito; "Fica o epílogo de Aécio Neves como um alerta para os áulicos de João Doria"

Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin
Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin (Foto: Aquiles Lins)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Janio de Freitas, hoje, na Folha de S. Paulo, faz o necrológio de Aécio Neves, o recém falecido e nada pranteado morto da política brasileira.

Aécio é apenas mais uma prova do cinismo das elites brasileiras que, como recorda nosso mestre Janio, o apresentaram como um projeto para o Brasil.

Projeto, vê-se hoje, de que tipo.

(…)não falta quem, para receber os generosos prêmios dados aos delatores, mostre mais aos brasileiros como é de verdade o seu país. Nem faltam candidatos a ver-se, de repente, passando de louvados a execrados. Como a estrela do bom-mocismo, Aécio Neves.

Agora senador afastado pelo Supremo, e com Eduardo Cunha preso, Aécio fica mais exposto a que afinal se esclareçam em definitivo as trapaças de contratos em Furnas, cuja lista de beneficiários lhe dá lugar de destaque. Associados nessa lista, os dois retiveram por muito tempo as investigações devidas e suas consequências.

Com esse inquérito em andamento, Aécio se torna um dos senadores mais apreciados por procuradores e juízes: seis inquéritos – um por suborno e fraude na construção da Cidade Administrativa em seu governo mineiro, outro por suborno na construção de usinas hidrelétricas, três por caixa dois, e o de Furnas. Aguarda-se o sétimo.

Não foi sem motivo, portanto, que esse senador e presidente do PSDB (retirado de um cargo e licenciado do outro), conforme suas palavras agora públicas, disse ser necessário acabar com tais investigações e estar “trabalhando nisso como um louco”.

E pensar que esse era o presidente da República desejado e proposto ao país pelo “mercado”, pelos conservadores de todos os tipos e por imprensa, TV e rádio. Derrotado e ressentido, foi o primeiro a conclamar pela represália que originou o desenrolar político hoje incandescente.

Fica o epílogo de Aécio Neves como um alerta para os áulicos de João Doria.

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247