Tijolaço: Temer quer Forças Amadas como soldados do marketing

"É o poder civil que está introduzindo os militares na política e, pior, no processo eleitoral", avalia o jornalista Fernando Brito, sobre o anúncio de que Raul Jungmann deixará a pasta da Defesa, que será ocupada pelo general Joaquim Silva e Luna; "É um imenso erro tratá-los como soldadinhos de chumbo, aos quais se dispõe no tabuleiro de acordo com as conveniências política. São soldados, sim, mas de material muito menos maleável do que o chumbo", diz Brito

raul jungmann temer
raul jungmann temer (Foto: Aquiles Lins)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Não é preciso mais do que algumas linhas, lá no final da nota da Folha onde se anuncia que o inócuo Raul Jungmann será o ministro da Segurança de Temer, digo, da Segurança Pública, para entender quais são os planos do Governo:

Uma pesquisa interna feita pelo MDB mostrou que a segurança pública é um dos temas que mais preocupam os brasileiros na disputa presidencial.Com esse objetivo, a equipe de marketing do presidente pretende reforçar um perfil linha-dura, aproximando-o mais do campo da direita. A ideia é que ele apareça mais em fotos ao lado de soldados e generais e que adote um discurso mais enérgico.

Os militares, claro, têm plena consciência disso e aproveitam o terreno para conquistar espaços que não tinham há décadas.

Ocupar o Ministério da Defesa, através do General (da reserva) Joaquim Silva e Luna, é uma solução de compromisso com o comandante do Exército, Eduardo Villas Boas, que patrocinou , antes mesmo da chegada de Temer ao Governo, a sua nomeação como Secretário-Executivo do Ministério da Defesa, ao final de 2015, no Governo Dilma e com a chegada de Aldo Rebelo à pasta.

Jungmann no Ministério da Segurança, mas com um ex-soldado profissional na Defesa, especula-se, seria uma maneira de “separar” a questão da intervenção na Segurança Pública do Rio e, assim, evitar a percepção da politização do uso das Forças Armadas como gendarmes do atual presidente. Luna seria uma barreira “técnica” ao evidente propósito político que Jungamnn encarna.

A ver o que vai se confirmar desta história e, sobretudo, o que dela resultará. É o poder civil que está introduzindo os militares na política e, pior, no processo eleitoral.

É um imenso erro tratá-los como soldadinhos de chumbo, aos quais se dispõe no tabuleiro de acordo com as conveniências política. São soldados, sim, mas de material muito menos maleável do que o chumbo.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247